1963: “Escravatura” no futebol é criticada

O juiz Wildeforce declarou que o “sistema de compra e venda de passes de profissionais, vigente no futebol inglês, torna os homens escravos, remonta à Idade Média e é completamente ilegal”. A decisão foi preferida na ação judicial impetrada por George Estham, do Arsenal, contra o Newcastle, seu antigo clube. Entretanto, o magistrado afirmou nada poder fazer no caso, embora verberasse cruamente a atitude do Newcastle, que, em 1960, ameaçara o jogador de acabá-lo para o futebol se não concordasse em renovar o contrato. Wilderforce acentuou que “é necessário uma intervenção das autoridades para dar fim a essa escravatura, indigna do progresso e dos homens”. (Globo- 4 de abril de 1963)

Fonte: Revista Placar, Jornal dos Esportes, Jornal do Brasil, Jornal o globo, Tribuna de Minas e Arquivo Pessoal Márcio Guerra