2012/13: Atlético de Madrid campeão

Na última vez que o Atlético de Madri havia vencido o Real Madrid, o
zagueiro Miranda tinha apenas 15 anos e se limitava a sonhar em atuar na
Europa. Pois coube ao defensor brasileiro a honra de quebrar o jejum dos
colchoneros contra o maior rival. E em grande estilo: com um gol de cabeça
na prorrogação, o brasileiro garantiu a vitória por 2 a 1 sobre os
merengues, que deu o título da Copa do Rei, em pleno Santiago Bernabéu,
nesta sexta-feira.

Miranda comemora seu gol decisivo contra o Real Madrid

Os 14 anos de sofrimento da torcida colchonera sem vitória no clássico – o
triunfo mais recente foi em outubro de 1999 – foram recompensados com juros
em apenas 120 minutos. Além do fato de ganhar um título na casa do rival, o
Atlético quebra um jejum dle 25 jogos sem derrotar o Real. De quebra,
ostenta um retrospecto impressionante no estádio merengue: nas últimas seis
vezes que disputou uma final no Santiago Bernabéu, o time vermelho e branco
saiu vencedor. Ao todo, já são 10 títulos da Copa do Rei.

Jogadores do Atletico celebram o título

Miranda, porém, não foi o único protagonista de uma partida tensa, repleta
de faltas e cartões. José Mourinho, com sua saída do Real cada vez mais
desenhada, foi expulso no segundo tempo por reclamar do árbitro. Diego
Costa e Falcao brilharam no ataque colchonero, enquanto Cristiano Ronaldo
levou perigo, quase decidiu o jogo para os merengues, mas perdeu a cabeça
no fim da partida e recebeu o cartão vermelho após um entrevero com Gabi,
dando início a uma rápida confusão fora dos gramados. Courtois, por sua
vez, fez uma defesa espetacular no fim, em chute de Özil quase na pequena
área, sacramentando o triunfo do Atlético.

Real aproveita nervosismo rival e sai na frente
A princípio, parecia que o longo jejum do Atlético atrapalharia novamente
os jogadores da equipe. Muito nervosos, os colchoneros mal conseguiam
trocar passes no início da partida e eram pressionados pelo Real Madrid.
Cristiano Ronaldo, em particular, estava à vontade em campo. Com espaço, o
craque deu o primeiro susto em Courtois num chute de fora da área, que foi
desviado pela zaga e quase encobriu o arqueiro.
Aos 13 minutos, porém, não teve jeito. Após escanteio cobrado da direita,
CR7 subiu livre, sem ser incomodado por Godín e Falcao, e cabeceou no canto
direito do gol, abrindo o placar para os merengues. Àquela altura, a
hegemonia blanca não dava sinais de acabar.

Real saiu na frente com gol de CR7

El Tigre e Diego Costa despertam o Atlético
O Atlético, porém, acordou. Mais ligado no jogo, o time, na base da raça,
conseguiu equilibrar as ações, embora a falta de criatividade ainda
atrapalhasse na hora de criar jogadas. Entretanto, a nova postura foi
suficiente para os colchoneros voltarem à partida. Bastou um momento de
inspiração de Falcao, até então isolado na zaga merengue.
Aos 34 minutos, o artilheiro colombiano resolveu surpreender. Em vez de
esperar a bola no ataque, recuou ao meio de campo. Seu perseguidor Albiol
veio atrás, mas em vão. Após deixar o zagueiro na saudade, Falcao deu um
belo passe para Diego Costa, que bateu na saída de Diego López para deixar
tudo igual e se garantir como artilheiro isolado da Copa do Rei, com oito
gols.

Diego Costa extravasa depois de empatar o jogo

Segundo tempo movimentado
O empate tirou o medo do Atlético. No segundo tempo, mais solto, o time
colchonero abdicou da postura mais recuada para encarar o rival. Com isso,
a partida ficou movimentada, com chances de gol dos dois lados.
Pelo Atlético, Filipe Luís acertou um belo chute de primeira, após
cruzamento de Gabi, que passou perto do gol de Diego López, aos 14 minutos.
Mas foi o Real que assustou mais. Primeiro, aos 16, Cristiano Ronaldo fez
boa jogada pela esquerda e cruzou para Benzema, que acertou a trave. No
rebote, Özil tentou a finalização, mas Juanfrán tirou em cima da linha.
Depois, aos 23, CR7, à la Ronaldinho Gaúcho, mandou a bola na trave após
cobrança de falta.
Aos poucos, porém, a tensão tomou conta da partida. Em vez de lances de
gol, o jogo passou a se resumir a faltas no meio de campo e cartões
amarelos. Özil chegou a dar uma bolada no bandeirinha, enquanto Diego Costa
foi advertido, levando o técnico Simeone ao desespero. Para completar,
Mourinho foi expulso aos 31 minutos, ao deixar a área técnica para criticar
o árbitro. O Atlético ainda ensaiou uma pressão no fim, mas, com o futebol
esquecido, o duelo se encaminhou naturalmente para a prorrogação.

Miranda vira herói
No tempo suplementar, as forças mudaram de lado de vez. O Real Madrid fez
logo três alterações, tentando minimizar o cansaço, mas foi o Atlético, com
a mesma equipe que iniciou a partida, que dominou as ações e se aproximou
do gol. Primeiro, Diego Costa recebeu ótimo passe de Arda Turan, mas chutou
fraco, para boa defesa de Diego López.
Entretanto, a torcida colchonera não precisou esperar muito para soltar o
grito redentor de gol. Aos oito minutos do primeiro tempo da prorrogação,
Koke cruzou da direita, e Miranda se antecipou a Diego López no primeiro
pau para empurrar a bola para as redes, libertar o Atlético do jejum e
garantir a festa do lado vermelho e branco de Madri.

Miranda virou o jogo com gol de cabeça

Depois disso, o futebol deu lugar às polêmicas. Cristiano Ronaldo se
desentendeu com Gabi e foi expulso. Do lado de fora, Diego Simeone e Diego
Costa partiram para cima do banco de reservas do Real, com Pepe e seus
colegas exaltados. Em campo, faltas, cartões amarelos e vermelhos – Gabi
foi o agraciado – e discussões. Mas o torcedor do Atlético não deve ter
visto. Estava muito ocupado comemorando nas arquibancadas.

Torcida fez a festa após conquista do título