4ª fase – Semi-final: Tupi vence Juventude, mas clube gaúcho fica com a vaga

O Tupi-MG até que tentou, mas a missão era complicada. Vencer o Juventude-RS por cinco gols de diferença, no estádio municipal Radialista Mário Helênio, para avançar à final da Série D do Campeonato Brasileiro era a tarefa do Galo Carijó. Diante de 871 pagantes (1.230 presentes) para renda de R$ 11.410,00, o alvinegro fez um primeiro tempo ruim, com pouca inspiração. Mas na segunda etapa o time pressionou os gaúchos. O grito de gol da torcida carijó saiu aos 11 minutos, quando o artilheiro Ademilson fez 1 a 0 de cabeça. Aos 32, ele chegou a repetir a dose, porém a assistente número um, Andrea Marcelino de Sá, assinalou impedimento. Nos minutos finais, o Juventude-RS conseguiu esfriar a partida, mesmo com um pênalti contra desperdiçado por Ademilson aos 45, e garantiu a vaga na decisão da Série D.

A equipe gaúcha enfrenta o Botafogo-PB na disputa do título nacional. Os jogos estão marcados para 27 de outubro e 3 de novembro. Ao Tupi-MG, resta comemorar o acesso e planejar o ano de 2014.

O Jogo

Precisando reverter o placar de 4 a 0 do jogo de ida, o técnico Felipe Surian mudou a escalação do Tupi-MG. No meio-campo, Genalvo e Adriano Felício foram sacados para as entradas de Rafael Toledo e do atacante Cassiano, que compôs o trio ofensivo junto com Ademilson e Wesley. Este último entrou na vaga de Núbio Flávio, vetado pelo departamento médico. Mesmo com três atacantes, o Galo Carijó pouco criou. Tanto que quem teve a primeira chance da partida foi o Juventude. Aos 20 minutos, Douglas recebeu livre na área e bateu colocado, mas Fabrício Soares se jogou na frente da bola e desviou pela linha de fundo. O Tupi-MG só respondeu aos 33, com um chute de longa distância de Rafael Toledo. Airton saltou e fez a defesa com segurança. E o placar não foi movimentado na primeira etapa.

No primeiro tempo, jogo truncado e com poucas chances de gol para os dois lados

Tupi cresce, mas não o suficiente

No segundo tempo, mais mexidas de Surian. Adriano Felício e Maguinho entraram nos lugares de Cassiano e Rafael Estevam, respectivamente. Mas a primeira oportunidade foi dos gaúchos novamente. Logo aos três minutos, o meia Rogerinho invadiu a área pelo lado esquerdo e bateu colocado. Victor Souza se esticou todo e fez bela defesa. Já aos 11 minutos, o Tupi-MG deu esperanças à torcida. Rafael Toledo cobrou falta pelo lado esquerdo, na intermediária de ataque, e o artilheiro Ademilson ganhou da zaga pelo alto, fazendo de cabeça o primeiro gol do jogo.

Aos 16, o camisa 9 alvinegro pegou sobra defesa gaúcha e sozinho na área bateu forte, mas Airton faz grande defesa em dois tempos. Depois do lance de perigo, o Galo Carijó cresceu na partida e pressionou o Juventude-RS. Aos 21 minutos, Maguinho tentou encobrir Airton, batendo de perna canhota da entrada da grande área, mas o goleiro conseguiu fazer a defesa. Aos 24, Ademilson aproveitou cruzamento da direita e cabeceou forte, para mais uma defesa de Airton.

Galo Carijó cresceu na segunda etapa, abriu o placar, pressionou, mas não conseguiu ampliar

Trabalho para a arbitragem

Aos 32, o lance parecido. Henrique levantou na área e desta vez Ademilson testou para o fundo da rede. Mas a assistente Andrea Marcelino de Sá marcou impedimento, para revolta do banco de reservas do Tupi-MG.

Aos 45, o último suspiro do Tupi-MG. Após confusão na área, Ademilson foi derrubado e o árbitro Antônio Carvalho Schneider marcou pênalti. O ídolo carijó foi pra cobrança e tentou uma cavadinha, mas a bola subiu demais e passou por cima do gol. Mesmo com o erro, o camisa 9 foi aclamado pela torcida com o grito de “Ah! É Ademilson!”. Aos 49, o árbitro apitou o fim do jogo e da temporada para o clube mineiro.