Atlético Mineiro: Kalil critica ‘Pelés e gênios’ do elenco e vê Galo favorito na Libertadores

Alexandre Kalil parecia fazer um esforço enorme para ser ponderado minutos depois de ver o clube que comanda ser derrotado pelo Raja Casablanca nas semifinais do Mundial de Clubes, instantes após ver interrompido o sonho de o Galo se tornar o melhor time do planeta, momentos depois de uma das maiores frustrações da vida atleticana. Em curta entrevista, o dirigente sugeriu que faltou humildade ao elenco alvinegro, colocou a equipe como favorita ao título da Libertadores de 2014 e evitou tratar como tragédia a derrota de 3 a 1 em Marrakesh (veja os gols no vídeo).

Kalil disse que o insucesso serve para o Atlético recomeçar sua trajetória com os pés no chão. E deixou no ar uma crítica aos “Pelés e gênios” do elenco, embora já tenha colocado o Galo como favorito na Libertadores.

– Agora é todo mundo mais humilde do que nunca. Em fevereiro, começa a Libertadores. Se tinha Pelé e gênio aqui, não tem mais. Todo mundo vai voltar à escala zero. Desse Mundial, sai o favorito para o bicampeonato da Libertadores. Essa é minha humilde opinião. A derrota é muito dura, tudo é muito duro. E ela é proporcional à alegria de quando nos candidatamos a vir pra cá. Demos o azar de pegar um time embalado em casa. Não viemos pra jogar com o time da casa. Não tem jogo de ida e volta. Foi o pior jogo do ano do Atlético. Mas não quero transformar o ano em 2013 numa tragédia – disse ele.

Para Kalil, a derrota no Mundial causa dor no coração aos atleticanos

Alexandre Kalil afirmou que pretende esperar os jogos de sábado para dimensionar o impacto da derrota. Uma eventual perda do terceiro lugar para o Guangzhou Evergrande, da China, pode tornar ainda mais pesado o fracasso. Já a conquista do Mundial pelo Raja Casablanca sobre o Bayern de Munique pode amenizar um pouco a dor.

– Vamos acordar muito mal, com muita dor no coração. Queríamos estar na final. Mas  tragédia foi aquela derrota de 6 a 1 (para o Cruzeiro), o pior momento da minha vida como atleticano. Agora, não. O que aconteceu foi que entrou um time de 11 caras que sabem jogar bola e já eliminaram outros. Vamos ver o tamanho da tragédia sábado.

Kalil insistiu na ideia de que uma derrota em um Mundial não pode ser considerada um vexame, visto que o time, para chegar lá, teve que ganhar uma Libertadores.

– Em Mundial, não tem vexame. É um Campeonato Mundial…

O presidente do Atlético começará a definir a partir de agora, com mais intensidade, a temporada de 2014. Ele já confirmou que Cuca deixará o clube.