Boa Perdigão

A equipe de futebol de salão de Videira conquista invicta o título brasileiro, para orgulho do esporte em Santa catarina

   A noite de 11 de abril ficará marcada para sempre na história do esporte catarinense. Naquele sábado, a equipe de futebol de salão da Perdigão arrancou, numa decisão emocionante, a vitória na final da Taça Brasil contra o poderoso time paulista Transbrasil, em pleno território inimigo.

   Foi um jogo sensacional. No tempo normal, empate de 1 x 1. Houve a primeira prorrogação de 10 minutos: 0 x 0. Nova prorrogação de 5 minutos – e o empate persistia. Terceira prorrogação, enxurrada de emoções até que Julio, aos 3 minutos, marcou o gol do título.
   A pequena e vibrante torcida, que viajou de ônibus de Videira até São Paulo, Pôde então explodir de orgulho e alegria  no ginásio poliesportivo do Ibirapuera. A equipe da cidade acabava de dar o segundo título esportivo a nível nacional aos catarinenses ( em 1981, a mesma Perdigão havia vencido o Campeonato Brasileiro de Judô). A festa varou a madrugada e continuou na volta do caminho até Videira – agora a capital nacional do futebol de salão.
   Videira está localizada na região do alto vale do Rio do Peixe, a 467 km de Florianópolis. Com uma população de 40 000 mil habitantes, é o oitavo município catarinenses em movimentação econômica. Vive basicamente da agricultura e da agroindústria.
   Uma de suas principais indústrias, a Perdigão, fundou em junho de 1972 sua Sociedade Esportiva e Recreativa, criada para promover a prática de esportes estre os funcionários. Hoje, o clube tem sede própria, na qual se ergueram de um ginásio coberto com capacidade para 2500 pessoas a um museu esportivo. A menina dos olhos, porém, é a equipe de futebol de salão.
   Criada em janeiro de 1984, levantou todos os títulos estaduais até agora. A nível nacional, foi campeã da Copa Independência (Belo Horizonte, 1986) campeã sul-brasileira (Videira, 1986) e campeã da Copa GM (São Paulo,1985). Em toda sua história fez 221 partidas: ganhou 184 e perdeu apenas 22 vezes.
   Faltava apenas um título nacional nesse currículo. Faltava: na noite de 11 de abril a lacuna foi preenchida. A Perdigão é agora a campeã brasileira. E invicta. Para orgulho do futebol catarinense.

Fonte: Revista Placar, Jornal dos Esportes, Jornal do Brasil, Jornal o globo, Tribuna de Minas e Arquivo Pessoal Márcio Guerra