Brasil tem a 1ª condenação por racismo de torcedores

O Juventude é o primeiro time do Brasil a ser punido pela Justiça Desportiva por atos de cunho racistas de seus torcedores

  Ontem, a 4ª Comissão Disciplinar do STJD condenou o clube de Caxias do Sul à perda de dois mandos de campos e multa no valor de R$ 200 mil.
  A decisão, proferida após cerca de uma hora de julgamento no Rio, ainda não é definitiva.
  O clube foi enquadrado no artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, que impõe perda de até três mandos de campo e multa entre R$ 50 mil e R$ 500 mil a quem ´´deixar de tomar providências para prevenir desordens em sua praça de desportos“.
  O árbitro Alício Pena Júnior registrou na súmula do jogo contra o Internacional, em 22 de outubro, que parte dos torcedores do Juventude imitava macacos sempre que o volante adversário Tinga, que é negro, pegava na bola.
  Após o caso chegar ao Tribunal, o jogador ofendido afirmou que não desejava comenta-lo
  Já Walter Dal Zotto, presidente do Juventude, declarou que foi uma situação isolada, que cessou assim que o sistema de som do estádio Alfredo Jaconi apelou para que os torcedores não discriminassem os jogadores rivais.
  A conduta que levou à punição do clube gaúcho é idêntica à verificada em alguns campeonatos da Europa. A multa, entretanto, é mais pesada que as impostas na Espanha, onde o problema têm sido mais frequente.
  No primeiro semestre deste ano, o lateral-esquerdo Roberto Carlos, titular da seleção brasileira e do Real Madrid, foi alvo de apupos similares quando jogava por seu clube pelo Campeonato Espanhol em duas ocasiões.
  A própria entidade que comanda o futebol espanhol já foi alvo de multa por racismo. No final do ano passado, a Fifa impôs a ela o pagamento de cerca de US$ 87 mil, (quantia entorno de R$ 238 mil, pela cotação da moeda norte-americana na época).
  A punição, que aconteceu em razão de manifestações da torcida espanhola contra a seleção inglesa, foi considerada branda pelos britânicos. Após a divulgação da pena- da qual os espanhóis não recorreram – , Richard Carbon, secretário de Esporte da Inglaterra, afirmou que a Fifa, a Uefa também aplica altas multas para coibir discriminação racial em suas competições. Só no mês de setembro, a entidade que comanda o futebol na Europa puniu o Sparta Praga, da República Tcheca, em 32 mil euros (cerca de R$ 85 mil) e o romeno Steua em R$ 56 mil.