Copa do Mundo de 2006: O fantasma francês reaparece

Nova derrota para França marca histórico de fracassos

A derrota ontem para a França entra para a história das Copas como mais um fracasso do Brasil em Mundiais. O maior deles foi em 16 de julho de 1950, quando a seleção comandada por Zizinho e Ademir, depois de vencer o México, empatar com a Suíça e bater a Iuguslávia, a Suécia e a Espanha (com goleadas nas duas últimas), foi derrotada por 2 a 1 pelo Uruguai na final, em pleno Maracanã. A seleção precisava apenas empatar. O país demorou a se recuperar do “Maracanazo”.

Quatro anos depois, no Mundial da Suíça, o carrasco foi a Hungria. Depois de vencer o México por 5 a 0 e empatar com a Iuguslávia em 1 a 1. o Brasil, com Castilho, Djalma Santos, Nilton Santos e os Húngaros Tozzi e Buzansky foram expulsos. A campeã foi a Alemanha Ocidental, que derrotou a Hungria por 3 a 2.

Em 1966, outro trauma. A equipe de Portugal, liderada por Eusébio, venceu a do Brasil, com Pelé e Jairzinho, por 3 a 1, no dia 16 de julho. Foi uma das piores campanhas da seleção em Mundiais, Com um time desorganizado, os brasileiros, antes de serem eliminados, venceram a Bulgária por 2 a 0 e perderam para a Hungria por 3 a 1. A Inglaterra conquistou o título, derrotando a Alemanha Ocidental por 4 a 2.

Os brasileiros choraram mais uma vez em 5 de julho de 1982. A equipe treinada por Telê Santana reunia craques como Zico, Sócrates e Falcão. Depois de encantar o Mundo na primeira fase (derrotou a Escócia, a URSS e a Nova Zelândia) e nas oitavas-de-final (venceu a Argentina por 3 a 1), só precisava empatar nas quartas-de-final contra a Itália. Mas era o dia do artilheiro Paolo Rossi, que marcou três gols na vitória da Azurra por 3 a 2, eliminando os brasileiros. Assim como a geração de 50, a de 1982 jamais venceria uma Copa do Mundo. E a Itália levou a taça depois de vencer a Alemanha Ocidental por 3 a 1.

No dia 21 de junho de 1986, começou a escrita francesa. Na segunda Copa do México, também nas quartas-de-final, a equipe liderada por Platini eliminou a Seleção Canarinho, novamente dirigida por Telê Santana contando com craques como Sócrates, Júnior e Muller (e ainda Zico, que entrou no segundo tempo). Depois de empatar em 1 a 1 no tempo normal e na prorrogação, a classificação foi decidida nos pênaltis. Os franceses venceram por 4 a 3. Sócrates e Júlio César desperdiçaram suas cobranças; Antes, o Brasil havia passado sem grandes dificuldades por Espanha, Argélia, Irlanda do Norte e Polônia. A Argentina conquistaria seu segundo título, ao derrotar a Alemanha Ocidental por 3 a 2.

Mas o vexame seria maior em 1990, na Itália. A equipe treinada por Sebastião Lazzaroni, envolvida em disputas internas entre jogadores, foi eliminada pela Argentina por 1a 0 no dia 24 de junho, nas oitavas-de0final. O Brasil havia passado aos trancos e barrancos pela Suécia, Costa Rica e Escócia. A campeã foi a Alemanha, que venceu os argentinos por 1 a 0, se vingando da derrota no último Mundial.

O fantasma francês reapareceu oito anos depois, desta vez em casa. Brasileiros e franceses fizeram a final do Mundial no dia 12 de julho de 1998, no Stade de France. A maior esperança de gols do Brasil, Ronaldo, passou mal horas antes da partida e teve péssima atuação. A seleção francesa, comandada por Zidane, não teve dificuldades para marcar três gols e levar o troféu.

Fonte: Revista Placar, Jornal dos Esportes, Jornal do Brasil, Jornal o globo, Tribuna de Minas e Arquivo Pessoal Márcio Guerra