Corinthians: Plano de invasores era quebrar as pernas de Pato e Emerson Sheik

Pato e Emerson Sheik eram os principais alvos dos torcedores que invadiram o CT no sábado. Funcionários do Corinthians que estavam no local relataram ao Estado que alguns vândalos queriam quebrar as pernas da dupla. Um grupo mais exaltado falava até em matar Pato.

Os atletas se refugiaram nos vestiários e ficaram trancados em uma sala por aproximadamente três horas – eles usaram armários para segurar a porta. Guerrero foi o único que teve contato com os torcedores e chegou a ser agarrado pelo pescoço. Paulo André, Renato Augusto e Danilo, que já se dirigiam para o campo, não conseguiram voltar a tempo para o vestiário e tiveram de se esconder em um pequeno cômodo próximo à piscina.

Diretoria corintiana reforçou a segurança do Centro de Treinamento

Os invasores roubaram material esportivo e alguns itens de decoração do CT. Eles aproveitaram que o time se preparava para o treinamento e beberam a água e o isotônico destinados aos atletas. Um funcionário pediu que as bebidas não fossem consumidas e foi reprimido pelos torcedores. “Aqui é tudo nosso”, gritou um vândalo. Outro funcionário, que estava escondido dentro do hotel, temeu que pudesse ser confundido com algum jogador e ser vítima de agressão. Os torcedores ameaçaram e agrediram empregados do clube e exigiram que o local do esconderijo dos atletas fosse revelado.

Na confusão, os carros do auxiliar de preparação física Flávio Furlan e de Paulo André foram danificados. Três celulares foram furtados: o do fisioterapeuta Caio Mello, o do fisiologista Antonio Carlos Fedato Filho e o do meia peruano Ramírez. Um radiotransmissor também foi roubado.