Futebol e Cinema: Palmeira pode ser Garrincha

Marcos Palmeira fazendo o papel de Garrincha? Não é uma brincadeira. O galã da globo é o ator mais cotado para interpretar o nada apolínio craque de pernas tortas. Garrincha (1933-1983) será alvo de um filme de ficção que pretende minimizar os contornos trágicos de sua vida. Os problemas com o alcoolismo e o joelho bombado vão dar espaço a uma visão menos dramática do jogador, no longa “Garrincha – A Estrela Solitária”.

O filme tem os direitos da biografia do jornalista Ruy Castro, lançada em 1995. Mas segue outro caminho. “Estamos tirando toda aquela tragédia do livro, focalizando o futebol alegre e o personagem que fazia toda a torcida sorrir”, afirma o diretor Milton Alencar Jr. Na jogada cinematográfica, também estão em campo, como roteiristas, o compositor Adir Bianc e o jornalista João máximo.

A história, dividida em três planos começa com o desfile da escola de samba Mangueira, em1980, que tinha como enredo o tema “Coisas Nossas”. Garrincha era um dos destaques, mas já apresentava os efeitos de sua decadência, com um olhar perdido, como se não estivesse consciente de seus atos. Esse é o plano da realidade, que será pouco enfatizado. Durante o trajeto do desfile, porém, Garrincha começa a lembrar dos grandes momentos de sua carreira, seus gols, seus títulos, seus dribles. É o plano da memória.

O terceiro plano, o delírio, aproveita o clima carnavalesco para mostrar o Garrincha que todo mundo gostaria de ter visto desfilando pela Mangueira: pulando, sambando. “Essa é uma licença poética que a gente se deu. É uma chance de mudar a história e mostrar o Garrincha que era “a alegria do povo”e não a “estrela solitária”, em que ele acabou se transformando no fim da vida”, diz o diretor. O detalhe é que o filme vai utilizar poucas imagens de arquivos. Quase tudo seráo interpretado por atores.

No elenco, Mílton Alencar espera contar com as atrizes Camila Pitanga, para o papel de Elza Soares, e Maria Ceiça, para interpretar a namorada Iraci. Otávio Augusto pode interpretar o lateral Nílton Santos. Até os inconfundíveis dribles de Garrincha serão recriados. Para o diretor essa será a parte mais difícil do filme. “Vamos usar um dublê de corpo. Por causa de sua habilidade com a bola, parecida com a de Garrincha, estamos pensando em chamar o Denílson para reproduzir os dribles”, conta Milton Alencar Jr.

Dublê para reviver as pernas tortas de mané

Mas e as pernas tortas? O diretor pretende utilizar um técnico de teatro que, segundo ele, tem pernas idênticas às de Garrincha. O resto fica por conta da tecnologia. Pelo computador também serão reconstruídas as cores originais do Maracanã e retirados os espigões em torno da sede do Botafogo de General Severiano.

As cenas do carnaval serão realizadas numa cidade do interior do Rio, que possam simular o desfile de 1980, quando ainda não havia sido construído o sambódromo, no Rio. A equipe do filme também irá para o Chile, reproduzir a final da Copa de 62, quando Garrincha trouxe o bicampeonato nas costas. Nunca a estrela havia brilhado tanto.

Filme: “Garrincha – A Estrela Solitá-ria”

Diretor: Milton Alencar Jr.

Roteiristas: Aldir Blanc, João Máximo, Rodrigo Campos e Milton Alencar Jr.

Duração: 100 a 110 min

Elenco (a confirmar): Marcos Palmeira, Camila Pitanga e Maria Ceiça

Orçamento: R$ 4,6 milhões

Estágio: pré-produção

Estreia: Copa de 2002