Futebol e Cinema: Um vício desde o início

Desde o dia em que o bigodudo Charles Müller trouxe uma bola e as regras do futebol para o Brasil, o esporte bretão não seria mais o mesmo. É esse o ponto de partida do filme “Alegria – paixão do Futebol”, que pretende contar a história do futebol brasileiro, dos seus primórdios, até a fase atual.

A ideia do diretor Jorge Monclar é montar um panorama didático mas atraente, com muitas entrevistas e imagens tiradas do fundo do baú. Começa com a importação do futebol da Inglaterra, por Charles Müller, passa pela entrada no negro no esporte, chega à Copa de 58, quando o Brasil representa o futebol para o resto do mundo, com a arte e a genialidade de Pelé e companhia, até a consagração na Copa de 70, no México.

“Em seguida, vamos mostrar a participação do Brasil na era dos negócios, a fase João Havelange e outros embaixadores do futebol pelo mundo como Pelé, em sua passagem pelo Cosmos, e Zico, no Japão”, conta Jorge Monclar.

De olho vivo no mercado estrangeiro

De olho no mercado estrangeiro, o diretor pretende exibir curiosidades, como os campeonatos indígenas, realizados no Xingu. “Eles gostam dessas curiosidades. Às vezes, se interessam mais pela versão do que pelo fato”, diz Monclar, que trabalhou como diretor de fotografia do filme “O Poder do Futebol”, sobre a Copa de 79, na Argentina.

“Naquela época, fiquei responsável por buscar um ângulo além do futebol simplesmente. Mostramos como a Copa do Mundo estava sendo usada como escudo pela ditadura na Argentina. Apesar de ter credencial da Fifa, foi um sufoco fazer aquelas imagens, os militares queriam ouvir as entrevistas e ver o filme”, conta.

Inicialmente, “Alegria – Paixão do Futebol” era um projeto megalomaníaco. Tinha um orçamento de US$ 16 milhões, supostamente contraria com a co-produção de Steven Spielberg e receberia duas músicas gravadas especialmente por Madonna. Era um voo alto demais. Mesmo assim, Monclar ainda sonha com uma bem-vinda parceria com a Miramax, para distribuir o filme internacionalmente.

Além de um filme para o cinema, “Alegria – Paixão do Futebol”está voltado para a internet. “Quero fazer um projeto que seja referência, com interatividade em que o público possa testar seus conhecimentos”, conta.

Filme: “Alegria – Paixão do Futebol”

Diretor: Jorge Monclar

Duração: 110 min

Depoimentos: Romário, Ronaldinho, Rivaldo, Pelé, João Havelange

Orçamento: US$ 2,5 milhões

Estágio: em produção

Estreia: janeiro de 2002 (na internet) e no mês anterior à Copa (no cinema)