Pelé é Rei em Nova York

Faz 30 anos que a maior jogador de todos os tempos estreou no Cosmos

No dia 15 de junho de 1975, o maior jogador de todos os tempos iniciou uma nova experiência em sua fantástica carreira. Naquele domingo, lá se vão 30 anos, Pelé estrou no New York Cosmos, no empate de 2 a 2 com o Dallas Tornado, numa partida de exibição realizada no Downing Stadium de Randall’s Island. Havia oito meses e meio que o Rei não disputava uma partida. Jogara pela última vez  em 2 de outubro de 1974, quando se despediu oficialmente no 0 a 0 com a Ponte Preta, na Vila Belmiro.  Aproximava-se então dos 34 anos de idade – comemorados 21 dias mais tarde – e julgou que sua missão estava cumprida. Mas não pôde resistir aos apelos do Warner  Brothers, proprietária do Cosmos, que acenou  com a fabulosa proposta de US$ 6 milhões, livre de impostos, por três anos de contrato, que o ajudaria, e como, a saldar dívidas contraídas no seara dos negócios. Pelé ja chegou aos EUA mostrando o seu valor. Levou 21.278 torcedores para o jogo contra o Dallas. E forçou a primeira transmissão de futebol pela TV no país em cinco anos. A última acontecera durante a Copa  do Mundo em 1970. E além de dar o passe para o israelense Mordechai Shpigler marcar o primeiro gol do Cosmos, acabou ele mesmo estabelecendo o 2 a 2, na bela cabeçada que venceu o goleiro Keen Cooper. Pelé, é claro não perdeu o habito na terra do Tio Sam : foi o melhor jogador do campeonato nacional em 1976 e conquistou o título em 1977.

O NEW YORK COSMOS  surgiu em 1970 e acabou em 1984, quando também foi extinta  a National Association Soccer League (NASL), liga que desde 1968 organizava o campeonato nacional EUA. O time ganhou o título americano em 1972, 77, 78 e 80.

PELÉ teve três vezes técnicos no Cosmos : os ingleses Gordon Bradeley (1975/76) e Ken Furph (1976) e sul-africano de descentende de italianos Eddie Firmani (1977). Mais tarde indicou o brasileiro Julio Mazzei ao clube.