Santa Cruz acaba com jejum diante do Salgueiro e fatura título do Pernambucano

  • No momento decisivo, a camisa pesou. O Santa cresceu. Um herói apareceu. Até a final deste domingo, eram duas derrotas, um empate e nenhum gol marcado em três jogos na temporada. O Salgueiro, algoz desde o ano passado, estava atravessado na garganta do torcedor tricolor. Até Anderson Aquino aparecer. Logo ele, a surpresa na escalação de Ricardinho. Logo ele, absolutamente discreto até o lance decisivo. Um golaço aos 24 minutos do 2º tempo. O do 28º título pernambucano da história coral. O quarto nos últimos cinco anos. Mais de 46 mil tricolores fizeram a festa no Arruda. Com o empate sem gols na primeira partida, no Sertão, a vitória por 1 a 0 coroou a campanha coral.

    DESTAQUEO HERÓIAnderson Aquino nem estava tão cotado para ser titular. A tendência, imaginou-se, era que Ricardinho mantivesse a equipe da primeira partida. O atacante que passou boa parte do campeonato no DM não foi tão utilizado como se esperava. Neste domingo, porém, só precisou de uma bola para ganhar o status de herói do título coral.

    DESTAQUEFICA PARA DEPOIS

    O Salgueiro tinha a chance de ser o primeiro campeão do interior em 100 anos de história do Campeonato Pernambucano. O fato de estar na final já era algo inédito. No fim das contas, pagou pelos erros cometidos lá na primeira partida, no Sertão, quando desperdçou chances claras, Inclusive um pênalti.

    DESTAQUEA REVIRAVOLTA

    O título estadual coroa o renascimento do Santa Cruz. Depois de um início desastroso nas primeiras rodadas, com duas derrotas em sequência por 3 a 0, para Sport e Serra Talhada, o Tricolor se encontrou ao longo da competição. Quem poderia imaginar o desfecho? Fora da Copa do Nordeste e da Copa do Brasil – com um elenco totalmente reformulado – o Santa iniciou o ano como azarão. Relembre o roteiro da conquista.