1ª fase – 2º jogo: Tupi vence Araxá em tarde inspirada de Ademilson

Araxá e Tupi-MG se enfrentaram na tarde deste sábado, no estádio Mário Helênio, em Juiz de Fora. O time da casa venceu o jogo por 3 a 0, em partida tranquila para a equipe. Com o resultado, o Galo Carijó manteve a liderança do grupo A6 da Série D, enquanto o Ganso caiu para a lanterna do grupo, graças ao saldo de gols.

O jogo foi todo do Tupi-MG. O Araxá, que teve dois jogadores expulsos na partida, praticamente não ameaçou o goleiro Douglas Borges. Logo no primeiro minuto do jogo, o time de Juiz de Fora abriu o placar e pode jogar tranquilamente. E, atuando de forma inteligente, o Galo Carijó manteve a posse de bola, cozinhou o jogo, e marcou mais dois gols nos contra-ataques, já na etapa final.

A partida teve um nome: Ademílson. O atacante do Tupi-MG, com vontade de pedir música, fez três gols e comandou a vitória da equipe de Juiz de Fora. Outro destaque do time da casa foi  Adriano Felício, que deu dois passes para os gols do artilheiro da Série D, com quatro gols.

Artilheiro da Série D, com 4 gols, Ademílson balançou as redes três vezes contra o Araxá Esporte

Galo Carijó a todo vapor

O Tupi-MG começou o jogo com força total. Logo no primeiro minuto da partida, a equipe já teve a primeira oportunidade em um escanteio. E, no mesmo minuto, o Galo Carijó abriu o placar. Em um contra-ataque pela ponta direita, Adriano Felício cruzou para Ademílson que, dentro da área, só teve o trabalho de empurrar pra rede.

O Araxá teve sua primeira chance aos nove minutos. O atacante Juninho recebeu a bola e bateu com perigo, de fora da área. A bola passou por cima do gol de Douglas Borges, que estava adiantado na jogada. O time do Alto Paranaíba até arrancou alguns escanteios, mas o jogo era do Tupi-MG.

Junto com a força do ataque do Tupi-MG, a zaga do Araxá começou o jogo completamente perdida e batia cabeça.  Prova disso foi que, aos 19 minutos, o zagueiro do Araxá, Brumati, tomou o primeiro cartão amarelo do jogo.

E o Tupi-MG seguia em cima. Com vantagem no placar, o time de Juiz de Fora cadenciava a partida e economiza fôlego esperando mais uma oportunidade de gol. O Araxá até tentava incomodar o Galo Carijó, que, após os primeiros 20 minutos, caiu um pouco de produção e parava na marcação do Ganso. Mas, logo aos 23 minutos, Flávio quase marcou um golaço no estádio Mário Helênio. O jogador recebeu a bola dentro da área, dominou já tirando do zagueiro e perdeu o gol cara a cara com o goleiro Victor, que fez a defesa com o pé.

Já aos 35 minutos da etapa inicial, mais uma prova que a zaga do Araxá batia cabeça. Dedé escorregou e, ao tentar evitar o lateral, acabou dando a bola de presente ao jogador do Tupi-MG, que partiu para a área do Ganso. O zagueiro Brumati, que já tinha amarelo, acabou segurando o adversário e levou o cartão vermelho direto. Com a expulsão, o técnico João Martins foi obrigado a mexer na equipe araxaense. O treinador do Araxá tirou um atacante e colocou o lateral João Paulo.

O Tupi-MG não dava folga ao Araxá e continuava tentando ampliar o placar e liquidar a fatura. No finzinho do primeiro tempo, Michel recebeu ótima bola de Rafael Estevam, invadiu a área e soltou uma bomba na trave.

Dia do artilheiro

O segundo tempo começou um pouco mais morno que o primeiro. Mas, apesar de menos velocidade no jogo, logo aos quatro minutos da etapa final o Tupi-MG ampliou o placar. Em tarde inspirada, o artilheiro Ademílson recebeu lançamento do campo de defesa, arrancou e bateu de perna direita. A bola morreu no canto esquerdo do goleiro Victor.

Com 2 a 0, o Tupi-MG tinha tranquilidade para jogar. E, com muita inteligência, o time explorava os contra-ataques para continuar ameaçando a equipe do Araxá. Por outro lado, o Ganso não conseguia criar chances para ameaçar o Galo Carijó, que estava muito melhor no jogo.

E, se dizem que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar, Ademílson provou ao contrário e fez cair três vezes. Aos 14 minutos do segundo tempo, o artilheiro da equipe de Juiz de Fora recebeu mais uma passe milimétrico de Adriano Felício, arrancou, driblou o goleiro, ficou sem ângulo, driblou mais uma vez e fez a alegria da torcida do Tupi-MG: 3 a 0.

Apesar dos gols, o segundo tempo decorria de forma morna e sem grandes emoções. O mais impressionante durante a etapa final era a velocidade do ataque do Tupi-MG, que mantinha o ritmo do começo do jogo. O Araxá, com dez jogadores em campo, não conseguia criar jogadas e não ameaçou o Tupi-MG. E, apesar da vantagem numérica e maiores espaços no campo, o jogo ficou fraco.

Com 3 a 0 no placar, a torcida do Galo Carijó começou a entoar o grito de “olé” no estádio Mário Helênio. O Tupi-MG criava chances mas não convertia em gols, enquanto o Araxá continuava sem nenhuma criação. No fim do jogo, o camisa 10 do Ganso, Juninho, ainda foi expulso em entrada violenta.