2013: Lágrimas na despedida

Era a estreia de Santos e Flamengo no Brasileirão 2013, no palco de estreia da seleção brasileira na Copa das Confederações, com quase 70 mil torcedores presentes, mas o protagonista da tarde era só um: Neymar. O craque fez sua última partida pelo Peixe antes de se transferir para o Barcelona e não escondeu a emoção com o momento. Durante a execução do Hino Nacional, interpretado pela cantora Ellen Oléria, o jogador deixou escorrer as lágrimas.

– A emoção é grande. Mas quando o jogo começa, a gente esquece tudo – disse Neymar, antes de a bola rolar.

Em campo, o novo atleta do Barcelona teve atuação discreta em sua última partida com a camisa do Santos. Apesar de ter sido o jogador mais participativo do Alvinegro, ele não conseguiu se despedir da equipe paulista com uma vitória e deixou o Mané Garrincha com um 0 a 0 diante do Flamengo. O adeus ao Peixe começou com o choro de emoção, mas terminou com declarações de alegria pelo novo desafio na carreira.

– Será uma honra jogar com Messi, Xavi, Iniesta… O Dani Alves foi o cara que mais me encheu o saco, no bom sentido, para ir para lá (risos)… Será uma satisfação grandiosa – disse o craque.

Mais no Mané Garrincha: recorde de renda e água fria

O empate entre Santos e Flamengo por 0 a 0 não se destacou apenas pela despedida de Neymar. O duelo ficará na história do futebol brasileiro também por ter tido a maior renda de bilheteria. Os ingressos caros para a partida, e os quase 70 mil torcedores presentes renderam R$ 6.948.710,00 de renda com a partida. Antes, o maior valor absoluto arrecadado em um jogo no Brasil havia sido os R$ 4.484.282,25 da partida entre São Paulo e Internacional, na semifinal da Libertadores de 2010.

O duelo foi o primeiro do estádio Mané Garrincha com todos os lugares do estádio disponíveis. A arena ganhou elogios dos técnicos Muricy Ramalho e Jorginho, mas ambos reclamaram de um detalhe: a água fria nos chuveiros.

-A gente percebe que ainda faltam umas coisinhas. Esse jogo é para isso, testar.  O chuveiro estava gelado – declarou o técnico santista.

Jorginho concordou sobre a água, mas achou o saldo positivo.

– Ninguém reclamou.  O campo não está excepcional, mas está em nom estado, bem melhor do que vários campos que jogamos.  O estádio é maravilhoso, meio alçapão. Só faltou água quente, tomei banho de água fria – comentou Jorginho.

Fonte: Revista Placar, Jornal dos Esportes, Jornal do Brasil, Jornal o globo, Tribuna de Minas e Arquivo Pessoal Márcio Guerra