Jô quebra jejum com gol irregular e dá 43º título ao Atlético contra a Caldense

  • Não sou eu aqui que direi do que o Galo é capaz. Victor fez isso um punhado de vezes em 2013. Levir e seus meninos repetiram a dose na Copa do Brasil em 2014. E Jô seguiu a história de superações neste domingo, ao furar a barreira da Caldense e virar personagem principal de mais um título. A taça tinha cara da Caldense, única invicta do torneio e sem sofrer gols há dois meses. Mas tudo que tem a cara de um, também tem a cara do Atlético. Como se tirasse forças de onde ninguém tiraria. Como se transformasse a descrença em combustível. Como se falasse: “Aqui, e não importa onde, mando eu”. E, de fato, manda.

    DESTAQUEPOLÊMICA DA PARTIDA

    Thiago Ribeiro abriu o placar, Luiz Eduardo empatou em seguida. A partida estava em 1 a 1, com chance para os dois lados. Eis que o Marcos Rocha escapou pelo lado direito e cruzou na área. Em impedimento, Jô desviou a trajetória da bola e garantiu o título mineiro para o Galo. Os jogadores da Caldense, irritados, partiram com tudo para cima da arbitragem após a partida. Torcida também não perdoou: “Vergonha!”

    A Caldense precisava só de um empate e apostava todas as fichas na defesa, que não sofria gols desde março. Se tinha sofrido quatro gols no campeonato inteiro, levou metade só nesta tarde (um deles irregular). A queda do desempenho foi crucial para a perda do título. Fica o consolo: o troféu de campeão do interior e as vagas na Série D do Brasileiro deste ano e na Copa do Brasil em 2016.

    DESTAQUECAPITAL É QUEM MANDA

    A conquista do título mineiro pelo Atlético garante a hegemonia dos grandes por mais um ano. A última vez que um time do interior surpreendeu foi o Ipatinga, em 2005. A Caldense teve a chance de ouro: chegou invicta à decisão, mas perdeu na hora que menos podia.

    DESTAQUESELEÇÃO DO MINEIRO

    A Globo Minas escolheu os melhores jogadores do Campeonato Mineiro. O time foi formado por atletas de Atlético, Cruzeiro, Caldense e até América-MG. Os dois finalistas, com quatro cada um, dominaram a seleção. Eis a equipe: Rodrigo (Caldense); Marcos Rocha (Atlético-MG), Jemerson (Atlético-MG), Marcelinho (Caldense) e Bryan (América-MG); Leandro Donizete (Atlético-MG), Yuri (Caldense) e Arrascaeta (Cruzeiro); Luiz Eduardo (Caldense), Lucas Pratto (Atlético-MG) e Leandro Damião (Cruzeiro). O técnico é Léo Condé, também da Caldense. O craque do campeonato foi o argentino Pratto.

    DESTAQUEVOLTA POR CIMA

    Ele foi o artilheiro na conquista mais importante da história, a Libertadores de 2013. Depois, viveu uma fase apagada na história. Afastamento, atos de indisciplina, má fase. Desde 10 de abril de 2014 Jô não balançava as redes. Parece ter guardado para a hora certa. Em posição irregular, o atacante desviou cruzamento de Marcos Rocha e colocou mais uma vez o nome na centenária história alvinegra. Que estrela!