No estádio Olímpico, um resumo do passado alemão

Palco dos Jogos de 1936 e da primeira grande derrota de Hitler, campo de estreia do Brasil guarda lembranças do sangrento século XX

por Renato Galeno

Num país repleto de lembranças de sua história recente, o Brasil fará sua estreia num dos maiores símbolos de tudo o que os alemães não querem esquecer para que jamais se repita. O Estádio Olímpico de Berlim foi um dos palcos principais de Adolf Hitler, que acabou sofrendo lá, há 70 anos, a primeira grande derrota de sua ideologia. A história do estádio é, em sua grande medida, um resumo do radical e sangrento século XX na Europa.

Pista de turfe desde o início do século passado, a primeira grande arena construída no local foi o Estádio Nacional, feito para a realização das Olimpíadas de 1916, que acabaram canceladas devido à Primeira Guerra Mundial. Ele foi usado como hospital para soldados alemães feridos.

Dez anos depois do Tratado de Versalhes, um projeto de construir um estádio de 65 mil lugares foi suspenso devido à crise provocada pela quebra da Bolsa de Nova York, em 1929. A mesma crise que lançaria milhões de alemães no desemprego, auxiliando o crescimento do movimento nazista.

Em 1930, Berlim venceu  a candidatura para os jogos de 1936, derrotando Barcelona, mergulhada então em distúrbios políticos. Mas o projeto para o novo estádio ficou parado até a subida de Hitler ao poder, em 1933. Ele percebeu a chance de mostrar a força de seu projeto político. Foram contratados só “alemães de raça ariana não sindicalizados” para a construção do que passou a se chamar Campo de Esportes do Reich.

Preocupado com a imagem do país, Hitler disse “não se opor à participação de pessoas de cor”nas Olimpíadas e e proibiu ataques anti-semitas entre 30 de junho e 1o de setembro de 1936, para criar um ambiente de falsa paz social durante os jogos, em agosto.

A Alemanha venceu os jogos, com 33 medalhas de ouro, contra 24 dos EUA. Mas o sorridente Führer que cumprimentava todos os campeões (até mesmo estrangeiros brancos) desapareceu do camarote, especialmente preparado para fazê-lo parecer mais alto, quando um negro americano, Jesse Owens, tornou-se o primeiro atleta da história a conquistar quatro ouros olímpicos. Numa nota triste dos anos 30, o presidente de seu próprio país, Roosevelt, também não cumprimentou Owens nos EUA, temendo perder votos sulistas.

O estádio foi campo de treinamento das brigadas SA e local de grandes recepções, como a de Benito Mussolini, em 1037. Nos primeiros anos da guerra, quando a Alemanha estava na ofensiva, o local abrigou festas para soldados de folga. Foram construídos bunkers sob o gramado. A partir de 1944, os bombardeios aliados a Berlim aumentaram e seu formato oval ajudpu os pilotos a localizar alvos. A rádio nazista estava instalada no estádio, que agora também  era um paiol. Em 12 de novembro de 1944, os últimos soldados nazistas juraram lá a bandeira do  III Reich.

Com a queda de Berlim, soldados soviéticos tomaram o estádio, entregando-o em julho de 1945, para os britânicos. Estes permaneceriam com a guarda da arena até 1994.

Por décadas tentou-se desnazificar o local. Em 1949, ele ganhou o nome atual, Estádio Olímpico. Em 1956, o camarote em que Hitler ficava foi rebaixado. Em 1984, uma rua que passa ao lado do estádio ganhou o nome de Jesse Owens. Entre 2000 e 2004, ele foi totalmente renovado.

Unido modernidade e tradição- o Portão da Maratona continua aberto para a Avenida Meifeld – o Estádio Olímpico recebe hoje o Brasil para sem esquecer o passado, começar um novo século com o pé direito.

Estádio de Berlim: Erguido a mando de Hitler, o histórico Estádio Olímpico de Berlim foi palco de eventos significativos que marcaram época. O velocista americano Jesse Owens ganhou quatro medalhas de ouro no estádio nos Jogos Olímpicos de 1936. A reconstrução, ao custo de 242 milhões de euros, teve início no final de 2000. Em 8 de setembro de 2004, as seleções de Brasil e Alemanha empataram em 1 a 1 na reabertura do estádio.

Capacidade: 66.021 lugares

Investimento: 242 milhões de euros

O estádio em 1936

Desenhado originalmente pelo arquiteto Werner March, o Olympiastadion foi erguido em 1934 e destruído durante a Segunda Guerra Mundial. Foi reconstruído em 1974 e recebeu dois jogos da Alemanha Oriental na Copa do Mundo daquele ano (contra Chile e Austrália).

Fonte: Revista Placar, Jornal dos Esportes, Jornal do Brasil, Jornal o globo, Tribuna de Minas e Arquivo Pessoal Márcio Guerra