O Papa, a próxima vítima