Rádio e futebol: gritos de gol de Norte a Sul

Alda de Almeida e Márcio Micelli1

Resumo

Filhos da elite, o rádio e o futebol encontraram-se há quase 75. O futebol ajudou a popularizar o então emergente veículo de massas, enquanto o rádio retirou o esporte de dentro dos estádios e o levou para o imaginário popular. O presente trabalho enfoca as três primeiras décadas dessa união e destaca o trabalho dos profissionais do microfone que, apesar das grandes dificuldades técnicas, faziam qualquer coisa para colocar no ar a narração das partidas de futebol. Locutores, repórteres e comentaristas criaram uma nova linguagem e uma forma de narrar os jogos capazes de gerar muita emoção e catalisar a audiência, transformando as partidas em um espetáculo realmente massivo. Destaca ainda a capacidade do veículo em criar ídolos dentro dos gramados, mas também atrás dos microfones.

Palavras-Chave: Radiojornalismo; futebol; comunicação de massas

Nascidos um para o outro. A frase banal ainda é a que melhor define a união vitoriosa entre o primeiro veículo de comunicação de massas e o esporte, a maior paixão popular. Filhos da elite, futebol e rádio tomaram-se catalisadores de emoções e ídolos do povo. Pegaram carona nas profundas mudanças por que passou o Brasil nas primeiras décadas do século XX, com o eixo econômico deslocando-se do campo para a cidade e a consequente urbanização da população brasileira. A alta concentração de trabalhadores nas cidades exigia lazer para as massas, principalmente a baixo custo.

As “peladas” nos campos de várzea deixam de ser reprimidas pelas autoridades e surgem os estádios para o derby dominical, entre as décadas de 10 e 20. Com as transmissões esportivas de rádio, os estádios, como num passe de mágica, parecem crescer de tamanho, conquistando um número cada vez maior de apaixonados.

Se o futebol ajudou a compor uma programação radiofônica verdadeiramente popular (junto com o humor, os programas de auditório e as radionovelas), o rádio também fez muito pelo futebol; contribuiu para transformar esse esporte de origem inglesa em paixão nacional, transportando-o do campo para o imaginário popular.

Desde o longínquo 1931, quando o primeiro jogo de futebol foi transmitido na íntegra por Nicolau Tuma, através das ondas da Educadora Paulista, (Seleção de São Paulo x Seleção do Paraná), surgiram muitos outros narradores que construíram uma nova linguagem radiofônica. Os profissionais do microfone criaram bordões e, ao lado de comentaristas e repórteres de campo, introduziram uma nova dinâmica nas partidas de futebol.

A nova linguagem permitiu ao ouvinte “visualizar” o campo e todos os lances do jogo, contribuindo assim para transformar o futebol em espetáculo de massas e paixão. Aos poucos, os profissionais do microfone foram estruturando a narrativa da transmissão de uma partida de futebol de modo a transformar o jogo em uma “guerra”, fomentando rivalidades entre as quatro linhas, a partir de outros confrontos já existentes na sociedade; o Fia x Flu e a luta de classes, Brasil x Argentina e as rivalidades geopolíticas, entre outras.

É importante ressaltar ainda a dupla função do veículo nesse período de grandes transformações da sociedade. Ele é ao mesmo tempo representante, na época uma verdadeira maravilha da tecnologia, e arauto da modernidade, pois ajuda a divulgá-la país afora. O rádio revela-se também um importante criador de mitos dentro do campo e atrás dos microfones, transformando os locutores em ídolos, às vezes tão famosos quanto os jogadores. E, como diria Edgar Morin, aproximando esses “deuses” dos mortais comuns, criando uma forte identificação com o público.

Lazer de europeus

O futebol chega ao Brasil em outubro de 1894, quando Charles Miller, jovem paulista filho de ingleses, desembarca em São Paulo com duas bolas de couro na bagagem. Até então, universitário, burguês e elegante, o futebol era obediente a um código e considerado esporte de grã-fino. Dois anos depois de São Paulo, o futebol foi trazido para o Rio de Janeiro, em 1896, pelo “gentleman” suíço Oscar Cox, do Paissandu Cricket Club.

Caixa de texto: S Caixa de texto: 4Ao longo dos primeiros 10 anos manteve-se como um esporte de elite, com sotaque britânico. Os praticantes eram, em sua maioria, técnicos industriais e engenheiros ingleses que vieram para o país participar do processo de industrialização, trazendo na bagagem seus hábitos e costumes. Expressões como field (campo), full-back (zaga), inside-right (meia-direita), referee (juiz) e linesmen (bandeirinhas), off-side (impedimento), corner (escanteio) eram comuns durante as partidas.

Os clubes de cricket e squash, esportes populares na época entre os ingleses, começaram a aparecer nas cidades brasileiras em 1850, em chácaras e ao lado de fábricas. Charles Miller, que não gostava de cricket, fundou alguns anos depois o São Paulo Athletic Club, primeiro time de futebol do Brasil, com funcionários de empresas inglesas instaladas no país. Em 15 de abril de 1895, Miller organizou dois times que disputaram em São Paulo a primeira partida de futebol, segundo as normas trazidas da Inglaterra.

Com o passar dos anos, outros clubes se formaram no Brasil, como o Corinthians Paulista e o The S.P. Railway, em São Paulo, o Fluminense Football Club, no Rio de Janeiro, além do Fuss-Ball-Club e do Grêmio Football Porto-Alegrense, no Rio Grande do Sul e o Sport Club de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Em 1914, criava-se a Confederação Brasileira de Desportos (hoje CBF). A partir de 1917, começaram a ser vendidos ingressos para os jogos.

O público, hoje peça fundamental de qualquer partida de futebol, começou a ocupar as arquibancadas por volta de 1910. Os “torcedores” eram quase todos da elite, formada por brasileiros e estrangeiros, conforme descreve o historiador Joel Rufino dos Santos.

“Um match no field do Bangu Athletic Club devia ser um espetáculo mimoso. Jogadores impecáveis nos seus calções e meias importadas. Além de moças loiras e perfumadas na assistência”(SANTOS, 81, pág. 15)

Enquanto a elite se exibia nas arquibancadas, o povão espiava através do alambrado. Os intelectuais ainda gostavam de futebol e comparavam, em artigos derramados e versos eloquentes, os jogadores a deuses gregos, os estádios ao Olimpo. Desde que os “deuses” e os “olimpos” pertencessem, é claro, à elite, nacional ou estrangeira.

Caixa de texto: 4 Aos poucos, com o aumento do interesse pelo esporte, o público, além de ter crescido, também foi mudando de perfil. Não pertencia mais à alta roda. Fazia parte do “povão” e da emergente classe média urbana. Eram empregados do comércio, estivadores, soldados, funcionários públicos, operários e pequenos comerciantes, que formariam o proletariado e a classe média baixa no Brasil da primeira metade do século XX, em especial em São Paulo e no Rio de Janeiro.

O esporte tornou-se definitivamente profissional no Brasil em 1933. Essa profissionalização foi um dos fatores que contribuíram para a popularização do futebol. Outro importante fator foi a ascensão dos negros e mulatos dentro dos gramados. Mas o preconceito era tão evidente na época que jogadores mulatos tomavam banhos de pó-de-arroz para parecerem brancos. O jogador Carlos Alberto, do Fluminense Football Club, foi um deles.

“O coração de Carlos Alberto parece que vai sair pela boca! É a hora que mais teme. Corre pela última vez ao espelho e tome nova camada de pó-de-arroz! Retira cuidadosamente a gorra de meia – o cabelo duro assentado em escadinha até o cocoruto. Está pronto. Os companheiros são compreensivos com ele, até ajudam na maquiagem. O team adentra o gramado. Correm, feito um bando de andorinhas, até a arquibancada. Hip, hip, hurra! Carlos Alberto está quase feliz. Ninguém o xingou até aqui. Será que escapa desta vez? De repente – ele já se preparava para bater bola – o grito da geral trespassa-lhe o coração: “Pó-de-arroz!” Campo do Fluminense, Rio, 1912. Com este grito da galera americana contra um craque que ‘precisava’ ser branco para jogar, nasceu o apelido que o Fluminense conserva até hoje. “Pó-de-arroz”! (SANTOS, 81 ,pág. 15-16)

Aos poucos, os jogadores mulatos foram ocupando espaço dentro do esporte. Surge então Leônidas da Silva, um dos maiores craques do futebol brasileiro. Ele começou a jogar futebol na várzea de São Cristóvão e profissionalizou-se anos depois pelo Bonsucesso. Leônidas pendurou as chuteiras em 1950, pelo São Paulo Futebol Clube, e tornou-se comentarista de futebol pelo rádio. Popularmente conhecido como Diamante Negro, reinou absoluto durante 20 anos, emprestando seu codinome ao chocolate que até hoje é sucesso de vendas da Nestlé.

Caixa de texto: 4. Consagrado na Copa de 1938, na França, quando aconteceram as primeiras transmissões intercontinentais de partidas de futebol no rádio brasileiro, atingiu o auge de sua carreira em 1941. Leônidas foi o inventor da “bicicleta”, um dos lances mágicos dentro do esporte, e também o primeiro jogador brasileiro a explorar comercialmente o próprio nome. Seu profissionalismo era evidente e, por isso, o Diamante Negro era acusado de exibir a arte de jogar futebol exclusivamente por dinheiro.

Com o passar do tempo, os clubes começam a se organizar pelas classes populares e os negros e mulatos revelam-se grandes jogadores, principalmente após as conquistas do Vasco da Gama, em 1923, e do São Cristóvão, em 1926, que foram campeões cariocas com times formados pela mistura de raças: brancos, negros e mulatos. Na década do modernismo, o futebol começa a adquirir a cara do povo brasileiro.

Do inglês ao português

Com a popularização entre as camadas desfavorecidas, as expressões em inglês do futebol foram traduzidas. O rádio passou a investir cada vez mais nas transmissões esportivas na fase conhecida como “época de ouro”, nas décadas de 40 e 50.

Para acertar a sintonia com o ouvinte das camadas populares, foi necessário aportuguesar as palavras em inglês que descreviam as posições dos jogadores, do campo e dos lances. Corner virou escanteio, goalkeeper tornou-se goleiro, field o campo de jogo, referee era o juiz, linesmen, os bandeirinhas, off-side passou a ser impedimento. As posições dos jogadores também se aportuguesaram. O center-half virou centro-médio e, mais recentemente, cabeça-de-área, os backs se tornaram beques ou zagueiros Definitivamente, o futebol aprendeu a falar português.

O “casamento” com o rádio: primeiras transmissões

Paralelamente à profissionalização do futebol, o rádio se expande em todo o País e, assim como o esporte, ganha espaço entre os diversos segmentos da sociedade brasileira

principalmente após a Revolução de 30. Principal meio de comunicação de massas, o rádio convergia as duas maiores atividades populares da época: samba e futebol.

O namoro do veículo com o esporte começou entre 1929 e 1930, com informações curtas sobre os resultados das partidas realizadas no Rio e em São Paulo, muitas vezes obtidos com enorme sacrifício, devido às dificuldades técnicas, em especial a péssima qualidade das linhas telefônicas.

Na época, o jogo era relatado com certa frieza, sem muita emoção. E, como não havia TV, eram os jornais que publicavam um esquema do campo de futebol, cheio de quadros, indicando a colocação dos jogadores. Este recurso serviu durante algum tempo para ajudar o ouvinte a “visualizar” as quatro linhas principais do campo e as subdivisões, além de permitir que acompanhasse a movimentação dos jogadores. O recurso gráfico prevaleceu por algum tempo, até o campo de jogo estar memorizado por todos os amantes do futebol e, posteriormente, pela grande maioria da população.

O locutor narrava: “agora o jogador fulano está na quadrícula seis, passou para a sete “. Naquela época as irradiações eram feitas pelo telefone e os locutores saíam correndo do campo para contar os lances do jogo, já que não havia telefone sem fio, celular, ou satélite. Só depois as transmissões esportivas viraram “óperas sonoras “, superando e trazendo uma outra conota cão para o próprio espetáculo (BAUNWORCEL, 99, pág. 61)

Mas o pontapé inicial foi dado com a primeira narração detalhada de um jogo de futebol, a 19 de julho de 1931, em São Paulo. A partida entre as seleções de São Paulo e Paraná foi narrada pelo locutor Nicolau Tuma, na Rádio Educadora Paulista, primeira emissora de São Paulo e pioneira das transmissões na cidade. O jogo, no campo da Chácara da Floresta, valia pelo VIII Campeonato Brasileiro de Futebol e terminou 6 a 4 para os paulistas.

Tuma conhecia o esporte — tinha jogado algumas partidas quando jovem — e encontrou uma saída curiosa para levar o ouvinte a “ver” o campo de futebol, ainda um desconhecido para muitos:

… Nicolau Tuma pede ao ouvinte para tentar pensar num retângulo na sua frente ou então pegar uma caixa de fósforos e visualizar o campo, onde vai começar a partida entre as duas seleções. ‘Do lado direito estão os paulistas e, do lado esquerdo, estão os paranaenses “, orienta o locutor.” (SOARES, 94, pág.30)

Para colocar mais lenha na polêmica, vale ressaltar que, entre os cariocas há quem tenha dúvidas se a primeira transmissão foi mesmo a desse jogo em São Paulo. O radialista Renato Murce assinala que no Rio o pioneiro das transmissões foi Amador Santos, na Rádio Clube do Rio de Janeiro. Mas não encontramos nenhum registro sobre as datas dessas transmissões.

Edileuza Soares reforça a primazia de Tuma com o seguinte argumento: “É possível que outros locutores tenham feito transmissões de futebol antes de Tuma, mas não com toda a descrição da partida, lance por lance, desde o início até o final.” (SOARES, 94, pág. 18)

As transmissões esportivas ganham novo alento com a chegada dos anunciantes. As emissoras são autorizadas oficialmente a veicular anúncios em 1932 e o governo federal começa a distribuir concessões de canais a particulares. As duas ações resultaram no aparecimento do rádio comercial e na consequente profissionalização dos envolvidos com o novo meio, incluídos aí os locutores esportivos. Com a entrada no ar dos patrocinadores, os profissionais passam a receber salários mensais e têm seus “passes” negociados, muitas vezes, por altas quantias.

Foi Getúlio Vargas o responsável por estimular a expansão do rádio às várias regiões do país, dentro do projeto de modernização do Brasil. Em mensagem enviada ao Congresso Brasileiro em primeiro de maio de 1937, o presidente assinala a importância do novo veículo de comunicação de massas.

(..) o governo da União procurará entender-se, a propósito, com Estados e Municípios, de modo que mesmo nas pequenas aglomerações, sejam instalados aparelhos radioreceptores, providos de alto-falantes, em condições de facilitar a todos os brasileiros, sem distinção de sexo nem de idade, momentos de educação política e social, informes úteis aos seus negócios e toda a sorte de notícias tendentes a entrelaçar os interesses diversos da nação (..) a iniciativa mais se recomenda quando consideramos o fato de não existir no Brasil imprensa de divulgação nacional. São diversas e distantes as zonas do interior e a maioria

Caixa de texto: S delas dispõe de imprensa própria, veiculando apenas as notícias de caráter regional. À radiotelefonia está reservado o papel de interessar a todos por tudo quanto se passa no Brasil”(l-IAUSSEN, 97, pág. 23)

Como no início o custo da publicidade no rádio era baixo, predominavam os pequenos anunciantes, como lojas, sapatarias, óticas, farmácias. Logo, a introdução de mensagens comerciais transfigura o rádio, e o que era “erudito”, “educativo” e “cultural” transforma-se em “popular”, voltado cada vez mais ao lazer e diversão.

Rumo ao exterior

A primeira transmissão internacional — esta sem nenhuma polêmica — aconteceu ainda em 1936, pelo Campeonato Sul-Americano, realizado em Buenos Aires. A honra coube a Gagliano Neto, na época já um conhecido locutor esportivo. Em 1937, foi a vez de Ary Barroso transmitir uma partida de futebol fora do país, pela Rádio Cruzeiro do Sul. No jogo, em Buenos Aires e igualmente válido pelo Campeonato Sul-Americano, Brasil e Argentina disputavam o título da competição. No ano seguinte, foi realizada a primeira transmissão intercontinental a partir da Europa, mais precisamente em 5 de junho de 1938. Coube a Gagliano Neto a primazia de narrar o primeiro jogo na Europa para o Brasil.

Direto da cidade francesa de Marselha, Gagliano irradiou também os outros quatro jogos da Seleção Brasileira na Copa, para a cadeia das emissoras Byington (formada pelas Rádios Clube do Brasil e Cruzeiro, do Rio de Janeiro; Cosmos e Cruzeiro do Sul, de São Paulo).

De acordo com as crônicas da época, o Brasil inteiro parou para ouvir a narração das jogadas de Domingos da Guia, Leônidas e Perácio na voz de Gagliano. Quem não tinha um aparelho de rádio em casa (os receptores ainda eram muito caros para a maioria da população), recorreu ao som dos alto-falantes colocados em locais públicos. A emoção superando, em muito, os inevitáveis chiados da transmissão. Era a “pátria de chuteiras” que começava a se formar.

Vale ressaltar que no início das transmissões as rádios e os radialistas enfrentaram grande resistência dos presidentes e diretores de clubes de futebol para transmitir os jogos. Os “cartolas” alegavam que a transmissão pelo rádio reduziria a afluência de púbico nos Caixa de texto: p estádios, afetando a renda, na época a única fonte de sustento do futebol profissional. Mas o tempo e alguns acertos financeiros mostraram que o rádio não roubou o público das partidas de futebol. Muito pelo contrário, ajudou a popularizar o esporte.

Brincando com as palavras, criando neologismos e empregando um ritmo veloz e de emoção, os narradores esportivos encontraram fórmulas que caíram no gosto popular, tanto quanto o futebol. O rádio buscou através dos vários recursos da linguagem radiofônica (a capacidade emotiva da voz, músicas, vinhetas, cortinas sonoras) levar a magia do espetáculo ao ouvinte, por meio do apelo a sua imaginação. O objetivo era levar o ouvinte a ver praticamente outro jogo, mais vibrante, que o prendesse ao rádio durante os 90 minutos. E levando esse jogo, irradiado de São Paulo ou do Rio, os dois pólos de desenvolvimento, aos mais distantes lugares do Brasil através das ondas curtas.

Captadas por pequenas emissoras locais, ou por radioamadores, as partidas eram retransmitidas muitas vezes por alto-falantes instalados na praça principal. Essa prática atingiria um de seus momentos máximos na Copa do Mundo de 58, quando o locutor esportivo Edson Leite, da Rede Bandeirantes de São Paulo, criou a Cadeia Verde e Amarela, cobrindo o país de norte a sul. A rede era informal, sem nenhum contrato entre as emissoras ou pagamento de direitos de transmissão. Com a transmissão da partida decisiva, contra a Suécia, a Bandeirantes alcançou praticamente todo o território nacional e superou 90% de audiência, conforme relata Edileuza Soares no livro A Bola no Ar.

“As afiliadas captavam o som em ondas curtas da Bandeirantes e faziam a retransmissão do sinal. Com esse aparato e mais o trio forte de profissionais, nas partidas da Copa do Mundo de 1958 a Bandeirantes chegou, segundo Pedro Luís, a uma audiência média de 85 %. No jogo contra a Suécia (decisão da Copa) a audiência da Bandeirantes foi de 92,5%”. (SOARES, 94, pág.55)

Os três bambas do microfone a que o texto se refere eram o próprio Edson Leite, Pedro Luís e Mário Moraes.

Vozes do rádio esportivo

Muitos profissionais do microfone contribuíram para transformar a narração das partidas de futebol num espetáculo visual. O rádio brasileiro passou a viver e conviver com nomes que fazem parte da história da comunicação em nosso país e que trouxeram formas de narrar um jogo, sempre com um detalhe que caracterizava o locutor e, às vezes, a partida em si.

Em todos os estudos feitos sobre o desenvolvimento do rádio no Brasil, os pesquisadores destacam que a transmissão esportiva foi a responsável pelo desenvolvimento técnico do meio nos outros setores, aí incluído o jornalismo. As grandes coberturas do radiojornalismo brasileiro nascem da experiência das transmissões ao vivo das partidas de futebol. A reportagem radiofônica também se inicia com o trabalho dos repórteres nos gramados, apesar do peso e da ineficiência dos equipamentos. Do mesmo modo, a crônica e o comentário de rádio retratam inicialmente o universo do futebol, passando posteriormente a tratar de outros temas: cotidiano, cultura, política.

Nomes como Nicolau Tuma, Gagliano Neto, Geraldo José de Almeida, Fiori Gigliotti, Pedro Luís, Rebello Júnior, Edson Leite, Aurélio Campos, Renato Macedo, Ary Silva, Blota Júnior e Murilo Antunes Alves merecem destaque no rádio. Assim como Araken Patusca, Tomás Mazzoni, Otávio Gabus Mendes, Oduvaldo Cozzi, Ary Barroso, Jorge Curi, Valdir Amaral, César Rizzo, Clóvis Filho, Doalcei Carmargo, Orlando Batista, Antônio Cordeiro e Raul Longras, além de muitos outros, contribuíram para a evolução da narração esportiva.

A primeira escola de locução foi de Nicolau Tuma, pioneiro das transmissões esportivas no Brasil. Ele adotou um estilo de narração realista, sem o uso de símbolos conotativos. Sua preocupação com a objetividade o impedia de utilizar figuras de linguagem. Para descrever o jogo com fidelidade, Nicolau Tuma era obrigado a narrar os jogos rapidamente, em um estilo “metralhado”. Depois de Tuma, Pedro Luís foi o que mais se aproximou desse estilo, criando uma escola que ultrapassou os limites de São Paulo e foi seguida em todo o Brasil.

Gagliano Neto foi o primeiro grande nome das transmissões internacionais. Tinha uma dicção clara, colocava bem a voz e era capaz de improvisar por horas a fio. Foi ele quem lançou Jorge Curi, que possuía uma voz com timbre mais forte, era fiel na narração, sempre acompanhando o jogo em cima do lance. Por isso é que sua forma de falar e

descrever as partidas se assemelhava muito a de Gagliano. Doalcei Camargo foi o último baluarte da escola clássica criada por Gagliano, seguido por Curi e Luiz Mendes. Um estilo vibrante e ao mesmo tempo sóbrio, respeitador no uso de expressões, sem apelar para o duplo sentido ou para palavras obscenas.

Ary Barroso, um dos mais importantes compositores da música popular brasileira, criador de Aquarela do Brasil, entre outros sucessos que marcaram a cultura do país, também se destacou no rádio, em especial nas emissoras do Rio. Locutor esportivo desde 1934, dedicou-se a essa atividade durante 18 anos e criou um estilo festivo nas narrações. Como ele transmitia as partidas junto à torcida; sempre que os atacantes se aproximavam da meta adversária os torcedores produziam um barulho ensurdecedor. Desta forma, diversas vezes os ouvintes perdiam o lance final e acabavam ignorando o resultado da jogada devido ao intenso barulho, acarretando problemas durante as transmissões.

Foi então que Ary Barroso teve a ideia de introduzir sons musicais durante os jogos de futebol, tornando-se o precursor do uso de vinhetas nas transmissões esportivas. Ele precisava de um sinal sonoro que sobrepujasse todos os ruídos na hora do gol. Experimentou vários instrumentos até achar uma “gaitinha”, conforme nos conta Mário de Moraes no livro Recordações de Ary Barroso.

entrou numa loja, na Rua da Carioca, de propriedade do falecido Chocolate, na época diretor do basquete do Vasco da Gama. Eu tenho uma caixa de um negócio que sopra e sai um som bem curioso. Quer vê-la? Perguntou Chocolate. Ary disse que sim. Chocolate trouxe um monte daquelas “gaitinhas” que haveriam de lembrar, para sempre, o locutor esportivo Ary Barroso.” (MORAES, 79, pág. 38)

A gaita possuía uma escala cromática irregular, aguda, e era perfeita para a ocasião. Ele levou uma porção delas e anunciou a novidade já no jogo seguinte. Com isso, Ary deixou de gritar gol durante as partidas e adotou as gaitas, sempre as tocando na hora dos gols, movimentando-as da direita para a esquerda e de volta para a direita, criando um marcante efeito sonoro.

“O homem da gaitinha” não foi só um brilhante speaker, futebolista apaixonado e incapaz de levar desaforos pra casa. Ary Barroso ficou famoso no rádio esportivo carioca por ser capaz de enfrentar qualquer desafio para narrar um jogo de futebol. Entre os episódios que entraram para a história, destaca-se a verdadeira “ginástica” para narrar uma partida em São Januário pela Rádio Tupi, quando estava proibido pela direção do Vasco da Gama de pisar no clube, por conta das críticas que fizera à “cartolagem” vascaína.

Ary chegou a convencer o dono da Cinédia, Ademar Gonzaga, que ficava próxima ao estádio, a deixá-lo transmitir do telhado da produtora. Conseguiu a permissão, mas foi dedurado e a direção do Vasco decidiu pregar-lhe uma peça. Quando o locutor foi a Cinédia no sábado, véspera do jogo, para checar a instalação dos equipamentos, teve uma surpresa. Tapando-lhe a visão, os cartolas cruzmaltinos tinham mandado instalar um imenso painel em homenagem ao Fluminense, que fazia aniversário, O locutor não desistiu:

“Ary perdeu a batalha, mas não perdeu a guerra. No dia do jogo, a Tupi mandava ao ar, com gaitinha e tudo, os lances da partida. Empoleirado no telhado do Ginásio Pio-Americano, de onde via perfeitamente o campo de São Januário, ajudado por binóculos, Ary Barroso transmitia, em todos os seus detalhes, aquele Vasco x Fluminense”. (MORAES, 79, pág.40)

Um verdadeiro “gol de placa”. Mas Ary Barroso seria ainda protagonista de muitas outras peripécias em defesa do direito de transmitir uma partida de futebol, já que era defensor da ideia de que o “ar é livre”.

Raul Longras desenvolveu um estilo próprio de narração, à base de gozações e criou expressões como “pimba” (quando o jogador chutava), “balançou o véu da noiva” (bola na rede), e o grito de gol longo, O efeito foi inventado pelo locutor paulista Rebello Júnior, mas Longras esticava o grito de “gooooool” para ganhar tempo e descobrir o autor do lance. Essa forma de narrar o gol é até hoje uma das principais características da transmissão radiofônica das partidas de futebol. Tão importante que foi incorporado pela televisão. Um fenômeno facilmente explicado. Muitas vezes o ouvinte está distante do rádio, ou da tv, e é o grito de gol que o faz correr para perto do aparelho para saber os detalhes.

César Rizzo também foi um dos grandes nomes da narração esportiva, tendo atuado em vários estados, ganhando fama nas emissoras do Rio de Janeiro. Rizzo costumava descrever onde se colocava o gol da direita, o gol da esquerda, as camisas que os times

estavam vestindo e as posições dos jogadores no campo. Tudo para ajudar o ouvinte-torcedor a visualizar melhor o cenário do jogo.

Fiori Giglioth, conhecido pelo aposto “Locutor da Torcida Brasileira”, foi outro renomado locutor esportivo. Iniciou a carreira em 1952, pela Rádio Bandeirantes e (depois de ser deixado de lado por Edson Leite e Pedro Luís) ingressou na Rádio Cruzeiro do Sul, onde incorporou seus bordões. Um dos fatores de sua popularização junto aos ouvintes deve-se ao fato de ter jogado no “Escrete do Rádio”, uma equipe de futebol criada por funcionários da emissora, grande atração nos aniversários de cidades Brasil afora.

Oduvaldo Cozzi marcou presença na Rádio Mayrink Veiga. Era criativo, possuía um estilo muito especial de criar expressões, tinha boa influência descritiva e revolucionou a forma de transmitir, adotando no Brasil o estilo de Lalo Peliciari, um locutor uruguaio que se destacava na Argentina. Oduvaldo Cozzi deixou muitos imitadores, formando o que se poderia chamar de “escola Cozzi”.

Repórteres e comentaristas: os homens do intervalo

Nesta breve história das transmissões esportivas entre as décadas de 30 e 50 não poderiam faltar os repórteres e os comentaristas. Antes de surgirem, os intervalos dos jogos de futebol eram ocupados com a execução de músicas populares que faziam sucesso na época. A figura do comentarista surgiu somente em 1940, na Rádio Cruzeiro do Sul (SP), através de Blota Júnior e Geraldo Bretas, que comentavam os jogos.

O primeiro comentarista foi o jornalista gaúcho Ary Lund. Aproveitado pelo então locutor Gagliano Neto, sua função era dar a opinião sobre o desempenho dos times, dos jogadores e comentar as principais jogadas no intervalo. Os jogos eram realizados pelo Campeonato Sul-Americano de 1936, em Buenos Aires.

De volta ao Rio de Janeiro, Gagliano Neto fez do jornalista Pilar Drumond, do jornal A Noite, seu comentarista no intervalo das transmissões. Ary Barroso, o popular Homem da Gaitinha, entregou o intervalo de seus jogos, na Rádio Tupi, a José Maria Scassa, formando uma dupla apaixonadamente rubro-negra.

Os repórteres esportivos também merecem destaque. Foram eles os responsáveis pelas primeiras reportagens nos vestiários, dentro do campo de jogo e, posteriormente, nos clubes, apesar das dificuldades e do peso dos equipamentos. Eram eles também que atualizavam, com frequência, os resultados dos outros jogos, divulgados pelos locutores. A reportagem ganha maior reconhecimento a partir da criação do primeiro Plantão Esportivo, na Rádio Pan-americana, de São Paulo (hoje Jovem-Pan), em 1948.

“Narciso Vernizzi comandava uma equipe de radioescutas que coletava as informações dos jogos. Ele as transmitia diretamente do Plantão Esportivo, durante a jornada esportiva Uma escuta nas ondas curtas permitia obter na hora notícias dos jogos no exterior ou dos clubes brasileiros em excursão. “(SOARES, 81, pág. 49)

O sucesso foi tanto que, ainda em 48, foi criado, na mesma emissora, o “Filmando a Rodada”, que retransmitia os principais momentos do jogo, gravados no primeiro gravador de que se tem notícia no Brasil. Era mais uma inovação incorporada ao radiojornalismo esportivo. A grande variedade de programas sobre futebol que começa a surgir no final da década de 40 atende a dois objetivos: atrair a audiência masculina para outros horários, além das tardes de domingo e trazer para as rádios novos anunciantes e patrocinadores.

No Rio de Janeiro, o primeiro repórter de campo foi Geraldo Romualdo da Silva, na Rádio Globo. Ele também foi pioneiro ao usar um microfone-transmissor sem fio, até então desconhecido. Tecnicamente, este equipamento surgiu da necessidade de o repórter de campo ter agilidade e não ficar preso ao emaranhado de fios.

Daí em diante foram surgindo inúmeros repórteres de campo, com destaque para Luiz Fernando, Alfredo Raimundo, Geraldo Borges, Manuel Spezin Neto, o Bermuda, e Washington Rodrigues, entre muitos outros.

Em termos de comentário, o nome que alcançou simultaneamente maior popularidade e credibilidade no Rio de Janeiro foi o de João Saldanha, nos anos 60, inicialmente na Rádio Continental e depois na Rádio Globo. De personalidade forte e polêmica, Saldanha conseguia conversar com o ouvinte e explicar detalhes do jogo que poucos viam. Milhares de ouvintes sintonizavam a emissora de seu locutor predileto e, no intervalo, giravam o dial para a Continental só para ouvir João Saldanha.

Fábrica de expressões

Durante as transmissões, é comum encontrarmos expressões criadas pelos locutores esportivos, através de uma linguagem estereotipada e redundante, abundante em sinonímias. Elas, em vez de revelar pobreza de imaginação, constituem-se de forma mais breve e inteligente. Antes, a gaitinha de Ary Barroso sinalizava para o torcedor o gol. Hoje, expressões como “lá onde a coruja dorme”, “passou tirando tinta da trave”, “no pau” e “isolou (a bola)”, por exemplo, contextualizam o chute e compõem uma imagem do desfecho do lance.

Outras como “artilheiro”, o especialista em fazer gols e destruir os adversários, mantém uma conotação belicista, associando o futebol a uma guerra, ou, mais recentemente, “matador”. Além disso, adjetivos hiperbólicos também são comuns dentro do esporte sempre que nos referimos aos grandes goleiros como “goleirões”, “muralhas humanas” ou “paredões”, quando associamos bons zagueiros a “becões”. Da mesma forma que os meio-campistas habilidosos em lançamentos e que procuram alternar as jogadas de ataque adquirem o status de “maestros”.

Ao longo da evolução do rádio esportivo, usando e abusando da criatividade, os narradores criaram toda uma linguagem específica buscando, no dia-a-dia dos torcedores, expressões da linguagem popular que pudessem enriquecer as transmissões. Mário Filho criou a sigla Fla-Flu que designa o mais colorido e vibrante dos clássicos cariocas, enquanto seu irmão, Nélson Rodrigues, imaginou e materializou os personagens Sobrenatural de Almeida e Gravatinha para explicar o inexplicável ou justificar o injustificável.

O ouvinte foi convidado a participar do espetáculo como parte do jogo, através da utilização de uma retórica trabalhada por amplificações. O narrador dá um novo sentido à metáfora tradicional. Logo, o torcedor adota esse novo significado e passa a repeti-lo à exaustão. Na narrativa radiofônica esportiva, o uso da retórica estimula a visualização do jogo, abrindo espaço para a fantasia e o próprio sonho do espetáculo. Abaixo, seguem algumas expressões comuns nas transmissões.

Charles: oato de se tocar a bola com o lado externo do pé — ganhou essa denominação porque o primeiro a fazer essa jogada no Brasil foi Charles Miller, o mesmo que trouxe as duas primeiras bolas para o Brasil.

Belfor: rechaçar a bola no ar, trocando de pés antes do chute — era um lance adorado por Belfort Duarte, jogador que atuou pelo América do Rio e que deu nome ao prêmio concedido ao atleta que nunca foi expulso de campo.

Sem-pulo: é aquela bola que vem pelo alto e o jogador chuta antes que ela bata no chão, antes que pule.

Bicicleta: é uma jogada acrobática. O atleta se joga para o ar, tocando a bola no sentido do campo adversário com os dois pés no ar, cabeça para baixo, caindo de costas. Segundo o jornalista Luiz Mendes, no livro Sete mil horas de futebol, o lance não possuía esta denominação.

“Chamava-se puxeta ou chilena, esta uma denominação argentina. Com Leônidas, que foi o mais perfeito executor da acrobacia, é que veio o nome bicicleta, por escolha do locutor esportivo Gagliano Neto, muito criativo e competente”. (MENDES, 99, pág. 113)

Gol de letra: Batizado pelo radialista Mário Filho, nasceu num jogo entre Fluminense e Madureira, nas Laranjeiras.

Essas expressões tornaram-se parte do cotidiano dos aficionados do futebol, entretanto, várias delas foram incorporadas também ao vocabulário da população em geral, ganhando outros significados. É o caso, por exemplo, do Gol de Letra, citado no parágrafo anterior e o Gol de Placa, cantado em versos na música Fio Maravilha, de Jorge Benjor, homenagem ao atacante do Flamengo dos anos 60 As duas expressões passaram a significar também “acertar em cheio”.

Apito final

Embora tenha surgido depois da chegada do futebol ao Brasil, o rádio trouxe para o dia-a-dia dos torcedores uma nova forma de acompanhar o esporte. Considerado veículo de massa na época em que o futebol ainda era um esporte elitizado, adaptou e criou diversas expressões na narração das partidas através de seus locutores, comentaristas e repórteres.

O ingresso de jogadores negros e mulatos nos times brasileiros reforçou a identidade entre o futebol e pessoas de classes populares e deixou de ser considerado um esporte de elite, principalmente quando o rádio passou a destacá-lo em sua programação. As expressões usadas nas rádios e o aumento do interesse da população pelo veículo popularizaram ainda mais o esporte, que até hoje recebe grande destaque das emissoras AM e começa a marcar presença também na programação de FM.

Pode-se concluir que futebol e rádio emergiram no país quase que simultaneamente e transformaram as transmissões das partidas em espetáculo de massa. Isso se deve aos profissionais do microfone, à dinâmica do esporte e ao maior interesse popular. Sua mobilidade, praticidade e acessibilidade por parte do público fizeram dele o grande parceiro do futebol. O rádio levou o esporte a todo o Brasil, mas foi mais além. Contribuiu, de forma definitiva, para formar novos torcedores e realimentar a paixão de várias gerações.

Uma verdade facilmente demonstrável. Todo o semestre os alunos que estão iniciando as disciplinas de radiojornalismo fazem um artigo falando da relação deles com o rádio; se ouvem regularmente, a que horas, que tipo de emissora, programas favoritos, etc.. Cerca de 90 % declaram-se ouvintes de FM, principalmente as emissoras que têm programação voltada para o público jovem (muita música, sorteios de brindes e humor).

Entretanto, é comum os rapazes assinalarem que, além da FM favorita, acompanham o futebol (transmissão de jogos, mesas-redondas e noticiário dos clubes) em emissoras de AM, em geral a Tupi e a Globo. Um dos textos escritos no início deste semestre chamou a atenção. O aluno Marcelo Nogueira diz o seguinte: “Desde pequeno fui acostumado a ouvir as transmissões dos jogos do Flamengo pela Rádio Globo, pois meu tio, flamenguista fanático como eu, ouvia muito alto…Não consigo passar um dia sequer sem ouvir a Rádio Cidade, mas quando tem jogo do Flamengo fico ligado direto da Rádio Globo.”

Depoimentos como esse indicam que o futebol ainda é um dos principais atrativos das emissoras AM, ajudando a manter um público fiel. Permitem-nos também imaginar que

o rádio vai continuar levando ao ar, ainda por muito tempo, um dos seus mais famosos bordões: É GOOOOOOOOOOOL!

___________________________

1Alda de Almeida, jornalista, professora do Curso de Comunicação Social da Universidade Veiga de Almeida

Márcio Micelli, recém-formado, co-autor da pesquisa deste artigo, usada inicialmente para a monografia de conclusão de curso com o título “É goooool! O rádio e a popularização do futebol no Brasil “, defendida em novembro de 2003. O aluno recebeu da banca nota máxima.