Real Madrid vence San Lorenzo, leva o Mundial e fecha ano com quatro títulos

A influência do Papa Francisco não adiantou, nem a catimba antes e durante o jogo. Em campo, o Real Madrid fez valer a enorme superioridade técnica e venceu um valente San Lorenzo por 2 a 0, no Grand Stade de Marrakesh, para conquistar o Mundial de Clubes neste sábado. Sergio Ramos e Bale fizeram os gols do triunfo.

Este foi o primeiro título dos merengues na atual versão do torneio, coroando um ano que já havia sido classificado pelos jogadores e pelo técnico Carlo Ancelotti como fantástico – foram outras três taças em 2014: Copa do Rei, Supercopa da Europa e Liga dos Campeões. Em termos de Mundial, o Real já havia faturado três vezes no modelo antigo, que incluía apenas europeus e sul-americanos: em 1960, 1998 e 2002. Agora é o que tem mais conquistas, ao lado do Milan.

Casillas ergue a taça do Mundial de Clubes da Fifa: primeira conquista merengue no torneio (Foto: Getty Images)

O triunfo merengue veio com forte apoio da torcida local, que compareceu em peso para ver seus ídolos de perto – os marroquinos prepararam até um bandeirão para Cristiano Ronaldo. Os argentinos também marcaram presença: no mínimo, 12 mil deles ocuparam as arquibancadas e cantaram o jogo inteiro, mesmo quando o San Lorenzo ficou atrás do placar. Ao todo, 38.345 assistiram à partida no estádio.

Sergio Ramos beija a Bola de Ouro de melhor jogador do Mundial de Clubes (Foto: Getty Images)

Na premiação, Sergio Ramos recebeu a Bola de Ouro de craque do torneio, superando Cristiano Ronaldo, ganhador do troféu de prata. Surpreendentemente como sua equipe, o meia neo-zelandês de origem croata Vicelich, do Auckland City, ficou com a de bronze como o terceiro melhor do Mundial. O volante alemão Kroos se tornou o nono jogador a ganhar títulos mundiais por seleção e time no mesmo ano, repetindo os feitos dos brasileiros Gilmar, Zito, Mauro, Roberto Carlos e Ronaldo, e dos argentinos Pumpido, Ruggeri e Hector Enrique.

SAN LORENZO CATIMBA, MAS RAMOS SURGE DE NOVO

O duelo, marcado por polêmicas antes do jogo, com o San Lorenzo reclamando da arbitragem e questionando o “violento” Pepe, começou exatamente no clima de Libertadores criado pelos argentinos. Logo aos dois minutos, Cauteruccio fez falta por trás em Kroos, que se irritou e discutiu com o adversário.

O San Lorenzo, porém, não se limitou à catimba. Mesmo retardando o jogo, reclamando da arbitragem e abusando das faltas, o time argentino tentou ir para o ataque quando tinha a bola. Chegou a equilibrar o duelo, marcando forte e trocando passes, mas quando Cauteruccio comandava o time ao ataque, ficava clara a diferença entre os times: o camisa 9 do Ciclón era facilmente anulado por Pepe e Sergio Ramos.

Sergio Ramos comemora primeiro gol da equipe merengue (Foto: Reuters)

Coube a Ramos, aliás, abrir caminho para a vitória. Se o Real estava pouco inspirado, criando pouco perigo pelo chão, o zagueiro apareceu novamente no ataque. Aos 36 minutos, Kroos bateu escanteio, e o defensor subiu livre para cabecear para as redes.

Antes do intervalo, o único revés do Real na partida. Aos 43 minutos, Marcelo precisou ser substituído por sentir uma lesão no quadríceps.

Marcelo sai chateado de campo diante do treinador italiano Carlo Ancelotti (Foto: AFP)

Atrás no placar, o San Lorenzo padeceu ainda mais com seu ataque inofensivo, sem conseguir superar a defesa merengue. O Real passou a ter mais o controle do jogo e começou a aproveitar os espaços na defesa, em arrancadas de Cristiano Ronaldo e Bale. Aos cinco minutos do segundo tempo, o galês recebeu na área, chutou e contou com colaboração do goleiro Torrico para ampliar a vantagem e selar a vitória.

Cristiano Ronaldo abraça Bale, e James agarra Pepe na festa pelo segundo gol (Foto: Reuters)