Da primeira eliminatória ao jogo da fogueira

Dois antes do histórico confronto da fogueira, no Maracanã, em 3 de setembro de 1989 – quando o Chile abandonou o campo, com o goleiro Rojas simulando ter sido atingido por um sinalizador atirado em sua área-, os chilenos já tinham participado de um momento muito mais importante da história da Seleção Brasileira. Num amistoso disputado no Parque do Sábia, em Uberlândia, em 9 de dezembro de 1987, com a seleção chilena como adversária, o Brasil usou, pela única vez, uma camisa com patrocínio.

  Eram os tempos da Copa União e a multinacional Coca Cola, que patrocinava quase todos os clubes da divisão principal do futebol brasileiro, resolveu estampar sua marca também na camisa da Seleção Brasileira pagando US$ 40 mil por jogo. A proposta foi aceita de imediato por Nabi Abi Chedid, hoje vice- presidente de Ricardo Teixeira e que, na época, estava comandando a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), mas não agradou ao torcedor.
   A repercussão foi tão ruim, que, no jogo seguinte, um amistoso contra a Alemanha, em 12 de dezembro de 1987, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, mesmo local da partida de hoje, a Seleção Brasileira usava novamente a camisa sem patrocínio. A Federação Internacional de Futebol Associado (Fifa) também se posicionou contrária à  novidade.
   Naquele jogo de 9 de dezembro de 1987, vencido pelo Brasil por 2 a 1, a Seleção era dirigida pelo técnico Carlos Alberto Silva, hoje supervisor no Atlético, e contava com os atleticanos Batista, Luizinho, Sérgio Araújo e Renato; e com os cruzeirense Douglas. Os gols foram marcados por Valdo e Renato.
   Em 28 de fevereiro de 1954, a Seleção Brasileira disputou a primeira partida da sua história em Eliminatórias para a Copa do Mundo contra o Chile, no Estádio Nacional, em Santiago. Com dois gols do centroavante Baltazar, o Brasil venceu por 2 a 0.
   Punição
   No jogo de 3 de setembro de 1989, Brasil e Chile disputavam a vaga do grupo na Copa do Mundo da Itália, com os brasileiros jogando pelo empate. No inicio do segundo tempo, Careca fez 1 a 0, e, na metade da final, com a queda de um sinalizador da Marinha na sua área, o goleiro chileno Rojas, que carregava um bisturi escondido numa das suas luvas, cortou o próprio supercílio.
   Quando os companheiros se aproximaram de Rojas e vira o goleiro sangrando, carregaram a ´´vítima e abandonaram o gramado. A farsa armada por Rojas foi logo desmascarada pela Fifa, que declarou o Brasil vencedor do jgo por 2 a 0, baniu o jogador do futebol e suspendeu a Federação Chilena.