História da Federação Mineira de Futebol

No dia 05 de abril de 1915, foi fundada em Belo Horizonte, a primeira Liga Mineira de Sports Athléticos, sob presidência do seu fundador, Dr. Célio Carrão de Castro, e vice-presidência de Álvaro Costa. O primeiro Campeonato Mineiro foi realizado no mesmo ano. Na final, o Atlético venceu o Cristóvão Colombo por 2 a 0, ficando campeão. Participaram ainda, o América, vice-campeão; Hygiênicos e Yale.

No ano seguinte, o América deu início a uma das maiores sequências de conquistas da história do futebol brasileiro, vencendo dez campeonatos consecutivos entre 1916 e 1925.

Em 16 de fevereiro de 1917, Nilo Rosemburg assumiu a presidência, ficando até junho do mesmo ano, para a entrada de José Marcondes Ferraz.

Em 1918, a Liga passou a se chamar Liga Mineira de Desportos Terrestres, tendo como presidente, Álvaro Felicíssimo.

Em 1932, Cruzeiro, Atlético, América e Villa Nova fundaram a Liga de Futebol dos clubes da capital, com o intuito de dar início à profissionalização do nosso futebol. O América acabou pressionado a aderir à proposta, e como protesto, passou a usar por dez anos, uniformes vermelhos.

O campeonato de 32, fica tendo Villa e Atlético como campeões.

Em 1933, a Associação Mineira de Esportes, presidida pelo Dr Jarbas Vidal Gomes, promove o primeiro Campeonato Mineiro Profissional, vencido pelo Villa Nova.

Em 1937, nova fusão, desta vez entre a Associação Mineira de Esportes e a Federação das Associações Mineiras de Athletismo, que passam a formar uma única entidade, denominada Federação das Associações Mineiras de Athletismo e Futebol. No mesmo ano, a Siderúrgica conquista o Campeonato Estadual.

A partir de 1939, então, a Federação passa a cuidar exclusivamente do futebol, e muda seu nome definitivamente para Federação Mineira de Futebol, sob presidência de Saint Clar Valladares Júnior.

O atual presidente, Élmer Guilherme Ferreira foi eleito pela primeira vez em 1986, tomando posse no lugar do advogado Alcy Alvares Nogueira, que dirigia a entidade desde 1980.

Como fato curioso, é de se destacar que o Estado de Minas Gerais foi o único a manter em funcionamento, oficialmente, duas ligas. Em 1917, com a permissão da entidade mãe, foi fundada em Juiz de Fora, a Sub-Liga Mineira de Desportos Terrestres. Por um longo período de tempo ela se encarregou de organizar campeonatos, que tiveram como principais protagonistas o Tupinambás F.C. e o Tupi.

Em 1923, inaugurou seu próprio estádio. Em 1928, a equipe conquistou seu primeiro Campeonato Mineiro, dando início ao processo de profissionalização. Em 1942, quando o Brasil declarou guerra à Itália e à Alemanha, o Palestra passou a se chamar Ypiranga, mas este nome durou apenas um dia. Logo na estreia, o time perdeu para o Atlético por 2 a 0, e uma reunião do Conselho Deliberativo, optou-se pela mudança definitiva, para Cruzeiro Esporte Clube.

O ano de 1933 marcou definitivamente o início da era profissional. Cinco anos antes, o Cruzeiro, então Palestra Itália, havia aderido o novo regime, contratanto cinco jogadores

futebol paulista para impedir o tetracampeonato do Atlético. Em 32, houve dois campeonatos. Um, organizado pela liga profissional. Outro, pela liga amadora. Assim, Villa Nova e Atlético foram os campeões. O América, maior time da época amadora, se revoltou contra a implantação do regime profissional, mudando a cor do seu uniforme. Durante dez anos, o clube abandonou o tradicional verde e branco, adotando no lugar, a cor vermelha.

Com a fusão das ligas, o Villa Nova tornou-se o primeiro campeão profissional em 1933. Depois, a equipe de Nova Lima, ainda ganhou os campeonatos de 34, 35 e 51.

1937, foi o ano da Siderúrgica de Sabará, que voltou a conquistar o título em 64.

Em 1956, o Atlético venceu o Cruzeiro por 1 a 0, na final, mas o Cruzeiro contestou o título atleticano na justiça. O processo se arrastou por longos anos, o que forçou a Federação Mineira a proclamar também o Cruzeiro campeão.

Em 1965, o futebol mineiro passou a viver uma nova era, com a construção do Mineirão, um dos maiores estádios do Brasil. Em 1997, na decisão do Campeonato Mineiro, em que o Cruzeiro venceu o Villa Nova por 1 a 0, registrou-se o maior público da história: 132 mil pessoas estiveram presentes no estádio.