Itália vacila no fim, e Haiti consegue resultado histórico em São Januário

O gol logo aos 19 segundos deu a impressão de que a Itália teria vida
fácil em São Januário nesta terça-feira. Mas o último teste da Azzurra
antes da estreia na Copa das Confederações terminou com um resultado
histórico. Só que para o Haiti. Depois de abrir 2 a 0, os italianos deram
espaço e viram a seleção haitiana empatar o duelo em 2 a 2 aos 45 minutos
do segundo tempo, mesmo com Montolivo, De Rossi e Balotelli em campo.
Giaccherini, logo no primeiro ataque, colocou a Azzurra em vantagem, dando
a impressão de que uma goleada seria construída rapidamente. Mas não
aconteceu. Com erros defensivos e um ataque de pouca produção, os italianos
sofreram diante de um rival que ocupa apenas a 63ª posição no ranking da
Fifa. Marchisio ainda ampliou para os europeus após boa jogada de
Balotelli. Mas Saurel diminuiu batendo pênalti aos 39 minutos do segundo
tempo, e, aos 45, Peguero aproveitou lançamento para chutar cruzado e
conseguir o empate.

Balotelli tenta escapar da marcação da seleção do Haiti

Um ataque, um gol…

A Itália precisou de apenas 19 segundos para mostrar a imensa
superioridade técnica mesmo atuando com reservas. Logo no primeiro ataque
do jogo, o esquema com três atacantes montado pelo técnico Cesare Prandelli
deu resultado. Candreva disparou pela esquerda e cruzou para Giaccherini se
antecipar à marcação e fazer 1 a 0.

Torcida em São Januário apoiou o Haiti contra a
Itália

O domínio italiano continuou absoluto por todo o primeiro tempo. Não que o
desempenho tenha sido um primor, mas a maior experiência de seus jogadores
permitiu que a Azzurra chegasse facilmente. A empolgação inicial, porém,
foi caindo gradativamente com o passar do tempo. Gilardino, apagado o tempo
todo, furou um cruzamento de De Sciglio que ainda tocou na trave.
O Haiti conseguiu espantar a expectativa de sofrer uma goleada e ganhou
confiança. A pequena torcida em São Januário, composta em sua maioria por
brasileiros, virou para o lado vermelho, com gritos de “olé” a cada troca
de passes ou no acerto de algum drible. Louis se destacou com um chute
forte de longe e ao quase marcar de cabeça perto do fim.
Titulares entram na Itália; Haiti marca de pênalti
Depois do susto que deu na Espanha no final de semana (perdeu só por 2 a
1), o Haiti passou a acreditar que poderia, pelo menos, arrancar um empate
da Itália. O time apostou na velocidade pelos lados e tirou proveito do
espaço dado pelo meio de campo europeu. Astori quase fez contra após
cruzamento de Grenier. Na sequência, La France perdeu chance clara de
cabeça.
Temeroso com o crescimento do adversário, o Prandelli tratou de mexer na
Azzurra, colocando em campo jogadores considerados titulares: entraram
Montolivo e De Rossi para fechar o meio, além de Balotelli para tentar ser,
no mínimo, mais produtivo que Gilardino.

Haitianos celebram resultado histórico contra a Itália em São Januário

Quem brilhou, contudo, foi um desconhecido. Jean Maurice levantou a
torcida e quase levou Maggio à loucura com belos dribles e muita rapidez
atuando como ponta esquerda. No melhor lance, quase acertou o ângulo de
Marchetti em lindo chute de fora da área.
Os italianos conseguiram respirar apenas aos 27 minutos. Balotelli escapou
da marcação pela esquerda, El Shaarawy perdeu o gol, mas Marchisio pegou o
rebote e fez o segundo.
Mas, doze minutos depois, o Haiti começou concretizar a sua façanha. Jean
Maurice sofreu pênalti. Saurel cobrou e diminuiu para 2 a 1. Aos 45, o gol
que deu contornos históricos ao resultado. Após lançamento para a área,
Peguero ganhou na corrida e chutou cruzado de esquerda para superar o
goleiro Marchetti, igualando o placar e garantindo a festa haitiana pelo
empate no Rio de Janeiro.