Morre o ex-jogador do Tupi João Pires

 

Um dos maiores nomes da história centenária do Tupi faleceu nesta
segunda-feira (17). O ex-ponta direita João Pires morreu em um acidente
automobilístico no início da tarde no Km 73 da BR-040, na região de
Petrópolis. Segundo informações da Concer, concessionária que administra o
trecho da rodovia entre o Rio de Janeiro e Juiz de Fora, o carro no qual
estava o ex-jogador do Carijó se chocou contra a mureta de proteção que
divide as pistas quando seguia da cidade mineira para a carioca. A direção
do Alvinegro de Santa Terezinha decretou luto oficial de sete dias. O
velório do ex-atleta acontecerá no Palácio Rui Barbosa, sede da Câmara
Municipal, hoje pela manhã, e o sepultamento está previsto para acontecer
no início da tarde, no Cemitério Parque da Saudade.
Junto com João Pires viajava Américo Ribeiro, mais conhecido como Caju, 58
anos, funcionário de confiança do ex-jogador do Tupi. Segundo as
informações obtidas pela diretoria do clube, ele está em observação no
Hospital Santa Tereza, de Petrópolis, mas não corre risco de morrer. De
acordo com a Concer, o ex-atleta também chegou a ser levado com vida ao
mesmo hospital após receber os primeiros socorros do sistema de resgate da
concessionária, mas não resistiu aos ferimentos.
João Carlos Pires tinha 72 anos, deixa esposa, três filhos e três netos.
Ele participou do mais emblemático time da história do Carijó, que ganhou o
apelido de Fantasma do Mineirão após derrotar América-MG, Atlético-MG e
Cruzeiro em jogos consecutivos realizados na capital mineira, em 1966. No
triunfo sobre os atleticanos, por 2 a 1, João Pires marcou os dois gols do
Tupi. Além de atleta, foi também presidente do clube entre 1991 e 1992 e
atualmente era vice-presidente administrativo do clube.

Inigualável
De acordo com o ex-treinador e conselheiro do Carijó, Geraldo Magela
Tavares, comandante do Fantasma do Mineirão, o clube juiz-forano perdeu um
de seus maiores ícones. “O Tupi perdeu hoje (segunda) uma pessoa
inigualável. Fica o exemplo de jogador que ele foi. Lutou dentro e fora de
campo pelo clube, sempre com muito amor. Sua passagem dentro das quatro
linhas criou condições tão marcantes que o fizeram presidente depois. Ainda
agora ajudava como vice administrativo e ia todos os dias dar sua
contribuição. Uma perda enorme para a associação, para a família e para
nós, amigos”, definiu.
O presidente do Tupi, Áureo Fortuna, também lamentou o falecimento do
carijó. “Foi uma perda enorme para todos. Um dos grandes nomes da história
do clube se foi. Ainda hoje atuava e estava completamente envolvido com a
administração, fazendo planos, sempre muito presente. É uma perda
inacreditável”, lamentou o mandatário do Alvinegro de Santa Terezinha.